AIP Côte d’Ivoire – AIP/ Des élèves de M’Bahiakro s’engagent pour l’amélioration de leurs résultats APS VERS L’ÉRECTION D’UN CENTRE DE CARRIÈRES PILOTE À DIAMNIADIO APS L’EMPLOYABILITÉ DES JEUNES DIPLÔMÉS, UN SUJET PRIMORDIAL POUR L’AUF (RECTEUR) APS LE DG DE LA FONCTION PUBLIQUE SALUE LE TRAVAIL DES COMMISSIONS ADMINISTRATIVES PARITAIRES GNA COVID-19: Five more deaths, active cases now 3,613 MAP Gabon : 89 candidats pour les sénatoriales, prévues les 30 janvier et 6 février APS LE CHAN 2020 REFLÈTE UNE BONNE PRÉPARATION ATHLÉTIQUE DES ÉQUIPES, SELON UN TECHNICIEN APS L’OM DÉDIE UNE SEMAINE À SES SUPPORTEURS EN AFRIQUE APS LE LYCÉE MAME CHEIKH MBAYE DE TAMBACOUNDA RÉNOVÉ ET ÉQUIPÉ PAR LA FONDATION SONATEL APS UN PROTOCOLE D’ACCORD POUR LA RÉALISATION DE L’ÉTUDE SUR LA STRATÉGIE NATIONALE DE RENFORCEMENT DE LA PLATEFORME PORTUAIRE

Ministro da Cultura propõe criação de um centro logístico para redistribuição de produtos criativos a partir de África


  1 Décembre      17        Arts & Cultures (1401),

   

Cidade da Praia, 01 Dez (Inforpress) – O ministro da Cultura e das Indústrias Criativas destacou hoje a importância de Cabo Verde apostar na criação de produtos específicos e de um centro logístico para a redistribuição das grandes plataformas internacionais, a partir do continente africano.

Abraão Vicente fez estas declarações à imprensa, momentos antes de ministrar uma aula magna subordinado ao tema “As indústrias criativas: suporte para o crescimento e emprego”, realizada no âmbito do curso de reforço de capacitação de guia de turismo, que arrancou esta segunda-feira 30 de Novembro, e decorre até 03 de Dezembro, na Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde (EHTCV), Cidade da Praia.

Para o governante, o sector das indústrias criativas aplica-se, não só ao turismo, mas também a outras áreas de negócios, considerando, no entanto, que sendo um campo muito vasto, o referido sector precisa ser reestruturado e melhor compreendido em Cabo Verde.

A nível do arquipélago, frisou, o sector das indústrias criativas enfrenta ainda vários desafios, sustentando que o mercado digital online a nível nacional é muito limitado e que não basta Cabo Verde ter o mercado digital, mas que é preciso criar todas as condições para impulsionar o sector.

“Em Cabo verde temos, pelo menos, cerca de nove projectos de mercado digitais online, que tentam imitar o modelo da Amazon ou Alibaba, só que, a dimensão do nosso mercado é muito exígua e os próprios promotores não compreenderam que não basta ter um mercado digital, é preciso ter uma logística de distribuição, armazenamento e redistribuição dos produtos”, exemplificou.

Segundo disse, a indústria criativa a nível mundial é, actualmente, percebia essencialmente como um sector ligado às novas tecnologias, salientando que a forma como uma ideia ou produto é criado em Cabo Verde, pode ter respaldo a nível internacional, vendendo em grandes mercados internacionais.

“(…) A indústria da música por exemplo, o mercado cabo-verdiano por ser muito exíguo, ainda não é monetizado online quando um artista faz um vídeo e coloca a partir de Cabo Verde. Há aqui muitos desafios a serem ultrapassados, que não tem a ver apenas com iniciativa privada, tem a ver com a própria integração internacional de Cabo verde no mercado mais abrangente”, acrescentou.

O responsável pela pasta da Cultura e das Indústrias Criativas destacou, neste sentido, a importância de Cabo Verde, pela sua dimensão territorial e pelo seu avanço no sector tecnológico, criar produtos específicos e apostar na criação de um centro logístico para a redistribuição das grandes plataformas internacionais a partir de África.

Entretanto, reconheceu que para isto, terá que ser resolvida a questão dos transportes aéreos e marítimos, por forma a garantir a conexão de Cabo Verde com o mundo e ter produtos vendidos a partir do arquipélago.

Abraão Vicente defendeu, por outro lado, que a reestruturação do sector da cultura passa pela formalização dos profissionais da referida área na segurança social, formação dos agentes culturais e formalização e registo de patentes.

“Temos que ter a cultura empresarial, não basta ter uma boa ideia, é preciso organizar o produto, criar uma boa marca, registrá-lo e colocá-lo no mercado internacional. E a partir de Cabo Verde, podemos vender boas ideias, mas podemos ter indústrias a volta disto”, reforçou, salientando que o sector tem imensas possibilidades de criar novos negócios, mas que os empresários nacionais têm de estar atentos a este facto.

CM/DR

Dans la même catégorie