GNA ELECTION 2020 IN PERSPECTIVE GNA UNICEF presents US$40,000 to GHS to fight COVID-19 ACP La ministre des Affaires étrangères installe le point focal genre de son administration ACP La situation macro-économique reste stable, selon le  Comité de conjoncture économique ACP Le président de la Commission de l’UA en mission à Kinshasa APS YATMA FALL : ’’FAIRE DE LA CARTE D’ÉGALITÉ DES CHANCES UN PROGRAMME NATIONAL’’ APS LA RTS ET L’UVS EN PARTENARIAT POUR RENFORCER LES CAPACITÉS DES ACTEURS DE L’AUDIOVISUEL (COMMUNIQUÉ) APS UN PROGRAMME D’INSTALLATION D’UNITÉS INDUSTRIELLES DÉDIÉES AUX FEMMES EN GESTATION APS L’ONLPL ÉVOQUE UNE QUASI-DISPARITION DES CAS DE TORTURE DANS LES PRISONS ET COMMISSARIATS APS AGRANDISSEMENT DE L’AÉROPORT DE KAHONE : LES PERSONNES IMPACTÉES SERONT DÉDOMMAGÉES

Ministro da Economia, Plano e Integração Regional pede demissão


  6 Novembre      15        Politique (13234),

   

Bissau, 06 Nov 20(ANG) – O ministro da Economia, Plano e Integração Regional pediu demissão após  nomeação de Soares Sambú para as funções do Vice-primeiro-ministro,  ministro da Presidência de Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares e Coordenador para  Área Económica .

O pedido de Victor Mandinga vem expressa numa carta dirigida ao primeiro-ministro Nuno Gomes Nabiam, na qual informou que seus poderes da decisão e a cadeia de comando das acções governativas ficaram alteradas com a nomeação do coordenador para a mesma área, facto que na prática reduzirá as suas competências.

Revelou que a sua convivência institucional  com o então conselheiro para área económica do  Chefe de Estado, Soares Sambú lhe permitiu aquilatar que a sua visão, sufragada e aprovada pelo Conselho de Ministros e pela Assembleia Nacional Popular, sobre reformas e medidas de política económica, visando a transformação estrutural da economia nacional, é no essencial diferente da visão do agora Vice-primeiro-ministro, em termos estratégicos, táticos e técnicos.

Ainda na carta, Victor Mandinga afirmou que manifestou na reunião de Conselho de Ministros que não subscreve o Orçamento Geral de Estado(OGE) para  2021, porquanto o mesmo não tem em conta a principal reforma capaz de alavancar a economia e colocar o país na rota da emergência , ou seja, da reforma da função  pública.

“O argumento de que não se pode colocar no OGE de 2021, os projectos do Programa Nacional de Desenvolvimento porque não existem financiamentos garantidos  é inverter o processo lógico com intuito de não assumir o Plano Nacional de Desenvolvimento 2020 à 2023 e a Estratégia (Hora Tchiga), “frisou.

Victor Mandinga referiu que é do conhecimento do primeiro-ministro que existem oportunidades de obter financiamentos junto dos credíveis e solventes investidores externos e no caso pode-se fazer recurso ao mercado de empréstimo obrigacionistas, tal como os países da sub-região.

Pediu o elenco governamental para levar adiante o interesse coletivo do país, e romper com o ciclo do subdesenvolvimento material e espiritual, respeitando sempre as regras democráticas e as leis , com base na transparência das “nossas acções”.

Um decreto presidencial nomeou quarta-feira, o até então conselheiro do Chefe de Estado, Soares Sambú   para as funções de Vice-primeiro-ministro, ministro da Presidência do Conselho de Ministros e Assuntos Parlamentares e Coordenador para área económica.

A decisão ,em consequência,  levou a demissão, para além de Victor Mandinga mas também de Mamadu Serifo Jaquité, que desempenhava as funções de Porta-voz do Governo e ministro da Presidência do Conselho de Ministros e dos Assuntos Parlamentares..

Dans la même catégorie