ANGOP Angola e Etiópia abordam retomada dos voos ANGOP Covid-19: Angola regista 195 novas infecções e 43 recuperados MAP Le Maroc dénonce l’attaque perpétrée à Nice et exprime sa solidarité et sa compassion aux victimes et à leurs familles (ministère des AE) MAP Message de condoléances de SM le Roi à la famille de l’artiste-peintre feu Mohamed Melehi MAP SM le Roi adresse un message de condoléances à la famille de feu Lahbib Herrass MAP Oman soutient l’initiative d’autonomie comme « solution définitive » à la question du Sahara marocain APS ACCIDENTS DE LA ROUTE : MACKY SALL INVITE À ‘’PLUS DE PRUDENCE ET DE RESPONSABILITÉ’’ APS DIRECTION DU STADE DE MBOUR : UN DES TROIS CANDIDATS EN LICE SE DÉSISTE APS UN DÉPASSEMENT DANGEREUX À L’ORIGINE DU VIOLENT ACCIDENT ENTRE THIÈS ET POUT (OFFICIEL) ANG Costa do Marfim/Alassane Ouattara candidato a um 3° e último mandato

Ministro das Finanças exorta os municípios a terem uma governação focada na liderança e mobilização de recursos endógenos


  28 Septembre      16        Economie (10105),

   

Cidade da Praia, 28 Set (Inforpress) – O ministro das Finanças exortou os governantes municipais a terem nos próximos tempos uma governação focada na liderança, criação de oportunidades e mobilização de recursos endógenos, visando aumentar a economia local e capacidade para investir no território municipal.

O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, lançou este desafio sábado durante a sua intervenção sob o tema “Finanças locais: de onde vem o dinheiro para as obras autárquicas?”, na IV Universidade de Verão, um evento promovido pela Juventude para a Democracia (JpD).

Respondendo à questão do tema, o governante disse que o dinheiro vem sempre dos contribuintes, cabo-verdianos que são empresas ou particulares, através dos impostos, da dívida que o Estado central e o governo municipal podem contrair ou ainda através de parcerias internacionais.

Para Olavo Correia, para ter recursos, o país precisa de três pilares fundamentais, nomeadamente a liderança no plano nacional e local, a cidadania fiscal e formalização da economia.

Destacou a importância do poder local na promoção do desenvolvimento das economias locais, realçando que para garantir um sector privado local “forte”, melhor ambiente de negócio, promover o emprego, o turismo e formalizar a economia, é importante ter um poder local forte e que seja capaz de investir bem.

Alertou, no entanto, que tendo em conta o contexto da pandemia do novo coronavírus, os próximos tempos serão “difíceis” do ponto de vista orçamental e financeiro, para o poder central e local, reforçando que nos próximos três anos o país terá uma trajectória inversa, ou seja, terá menos recursos a serem disponibilizados para os municípios.

“Pensamos que a trajectória que iremos percorrer é uma trajectória de decréscimo do ponto de vista da nossa capacidade de cobrança de impostos, por isso, é preciso que sejamos muito criativos, quer do ponto de vista do Governo central, quer do ponto de vista do poder local, para aumentarmos a nossa base de tributação, dinamização da economia e uma boa gestão da base de tributação municipal”, afirmou.

Afiançou ainda que é fundamental que os municípios invistam na criação de oportunidades com infra-estruturas estruturantes, fazer uma transição de uma liderança do ponto de vista de obras, requalificação urbana, acessibilidade para a governação municipal focada na criação de valores, promoção dos talentos, criação de oportunidades e promoção do turismo.

De acordo com Olavo Correia, só através do aumento da dinâmica económica é que o país estará em condições de aumentar a base tributária, realçando, por outro lado, que a nível dos municípios, os mesmos devem conseguir garantir a formalização das economias para estarem no topo da capacidade de cobrança dos impostos.

Disse, por outro lado, que o Governo está a trabalhar no sentido de criar soluções e um novo quadro de relacionamento com os municípios de Cabo Verde.

CM/JMV

Dans la même catégorie