GNA P’Bay’s ‘Steppa’ single sparks viral dance challenge GNA GFA to investigate bribery allegations involving RTU and Nkoranza Warrior AIP Côte d’Ivoire – AIP/ Un nouveau bâtiment de trois salles de classe à l’EPP Sandalla AIP Côte d’Ivoire-AIP/Inter/Foot-transfert : deux ivoiriens rejoignent le club du TP Mazembé AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Urbanisme: cinq quartiers précaires d’Abidjan bientôt déguerpis (Ministre) AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Un manuel de procédures validé pour le projet « Conservation de la biodiversité à Taï-Grebo-Sapo » NAN Troops overrun terrorists’ enclaves, eliminate scores in Borno, Yobe GNA Three men die after drinking suspected poisoned apketeshie GNA Oti NPP applauds Akufo-Addo on Regional Minister-Designate nomination GNA Chief commends International Needs for helping the rural poor

Moradores “indignados” com transferência de doentes mentais para condomínio em Terra Branca


  29 Décembre      17        Politique (14407),

   

Cidade da Praia, 29 Dez (Inforpress) – Um grupo de moradores do condomínio Finasson situado em Terra Branca concentrou-se hoje em frente a IFH para manifestar “indignação” com a transferência provisória de doentes do hospital da Trindade para o edifício onde residem.
“Foi uma surpresa para todos os moradores que residem no condomínio Finasson, porque não sabíamos de nada e nem recebemos nenhuma informação por parte da Imobiliária, Fundiária e Habitat, S.A. (IFH) e do Rotary Club proprietário do espaço, sito no rés do chão do prédio”, referiu Domingos Assunção, presidente da comissão de moradores do condomínio Finasson.
Adiantou que receberam a notícia através de vizinhos, amigos e de alguns funcionários do hospital da Trindade residentes também no condomínio, segundo os quais existe um acordo entre o Ministério da Saúde e Segurança Social e o Rotary Club no sentido de o espaço funcionar como um hospital para doentes mentais.
Domingos Assunção considerou que a atitude do Rotary Club e do próprio ministério é “uma falta de respeito” para com os moradores, que, segundo o mesmo, “não são contra esses pacientes, mas reconhecem que este “não é o espaço adequado e apropriado” para os acolher.
Segundo informações, o Hospital da Trindade vai ser alvo de obras nos próximos dois anos, período esse que, no seu ponto de vista, poderá estender-se por muito mais tempo, já que em Cabo Verde, continuou, “nunca chegam a cumprir com o tempo estipulado para obras”.
Por seu turno, David de Pina, presidente do conselho fiscal da associação dos moradores, disse que foram surpreendidos com a notícia que este espaço vai ser utilizado para outros fins sem ser aquele que estava previsto no âmbito do contrato de compra e venda assinado com a IFH.
“Achamos que é uma falta de respeito porque a IFH não nos informou sobre o assunto. Ficamos a saber na segunda-feira, 28, e de imediato entramos em contacto com a directora comercial que se mostrou também surpresa com essa decisão”, referiu David de Pina, que disse estranhar o facto de a IHF não ter conhecimento do assunto.
O protesto, segundo o morador, é para mostrar o descontentamento dos moradores que “nem se quer foram ouvidos e informados” e que vão fazer “de tudo e recorrer a justiça”, caso for necessário.
“É inadmissível num lugar onde os nossos filhos e moradores brincam e convivem passarem a conviver com pessoas portadores de deficiência mentais que não respondem pelo seus actos”, protestou David de Pina, que considerou que a decisão deve ser suspensa para evitar “futuras situações complexas”.
Revelou que o Ministério da Saúde convocou para hoje um encontro entre os moradores, responsáveis do Hospital da Trindade, IFH e Rotary Club.
“Se a decisão for adiante, vou pedir a recessão do meu dinheiro de compra do imóvel, o montante investido em obras sendo que até ao momento temos muitos problemas pendentes que ainda não foram resolvidos”, sublinhou.
AV/AA
Inforpress

Dans la même catégorie