AGP Ouverture de la 21ème réunion du Comité d’orientation d’Afritac Centre à Libreville AGP Coupe de la Ligue LINAFP : 6 clubs de D1 et 10 de D2 pour débuter Le Gabon présent à la Conférence ministérielle africaine sur l’appui de l’Union africaine (UA) au processus politique de l’ONU sur le différend régional au sujet du Sahara ACP Entretiens entre le Président Félix Tshisekedi et ses homologues du Rwanda, du Togo et de l’Ethiopie ACP Les entrepreneurs congolais apportent leur soutien au Président Félix Tshisekedi ACP Echange sur les enjeux de l’intégration des réfugiés dans les communautés d’accueil LACS/PROMOTION ET SAUVEGARDE DE LA CULTURE GUIN : DES COMPETITIONS INTER-ECOLES DE DANSES TRADITIONNELLES ET D’ART CULINAIRE ORGANISEES ATOP ORIENTATION SCOLAIRE ET PROFESSIONNELLE DES ELEVES :  LA JCI-TOGO ET JCI-ANEHO SOLIDARITE ONT ECHANGE AVEC  LES ELEVES DU CSPP D’ANEHO ATOP JOURNEE INTERNATIONALE DES VICTIMES DE L’ESCLAVAGE: LES JOURNALISTES EDIFIES SUR CETTE PRATIQUE INHUMAINE ANP Reconstitution des ressources du fonds mondial au centre d’un entretien du 1er ministre avec des députés UE

Música: Grupo Bulimundo promete novo trabalho discográfico em 2018 recheado de funaná


  11 Avril      85        Arts & Cultures (2423), Musique (449),

   

Cidade da Praia, 11 Abr (Inforpress) – O conjunto Bulimundo, que regressou oficialmente aos palcos em Abril de 2016, depois de décadas de ausência, promete um novo trabalho discográfico em 2018 recheado de funaná típico deste grupo.

A informação foi dada à imprensa, esta madrugada, por Zé Mário, um dos vocalistas do grupo, após a actuação do Bulimundo, que fechou o primeiro dia da Atlantic Music Expo (AME), na Pracinha da Escola Grande, na Cidade da Praia, por volta das 01:00.

Zé Mário informou que o grupo já está no terreno a fazer recolha e tem preparado algumas músicas para a gravação do próximo álbum.

O regresso do Bulimundo, que “veio para ficar”, segundo o vocalista, vai para além das apresentações, mas também com discos novos, tendo em conta que o público já está a pedir um novo trabalho discográfico.

De momento, o Bulimundo está a apresentar os seus “clássicos” em Cabo Verde e no mundo, tendo já uma agenda “completamente esgotada”, que vai desde concertos por várias ilhas do país e a nível internacional.

Para o mês de Maio, o grupo já tem agendado actuações na ilha do Fogo, no dia 01, por ocasião das festas de São Filipe, no Festival internacional da Gamboa, na Cidade da Praia e em Lisboa, Portugal, no dia 27.

No mês de Junho, antes da sua participação nas festas de São João, na Brava e em Santo Antão, e outros espectáculos no país, nomeadamente na Boa Vista, os Bulimundo deverão actuar em Paris, dia 03, e na Holanda, dia 04.

O grupo, actualmente constituído por antigos elementos e algumas caras novas, num total de 11, integrando Zeca di Nha Reinalda, Zé Mário e Ibrantino (vozes), Nonó (Saxofone), Nhelas (percussão), Lulan e Silva (viola-baixo), Duca (piano), Jorge Pimpas (bateria) Manel di Candinho (guitarra), Nené (guitarra e sopro), já fez digressões pela Europa, Estados Unidos e Cabo Verde.

O conjunto Bulimundo foi fundado em 1978 por Carlos Alberto Martins, “Katchas”, num período de grande efervescência cultural no arquipélago, com destaque para o movimento que defendia o retorno às origens da música tradicional com vista a se encontrar novas formas musicais – Funaná.

As primeiras actuações do grupo na Cidade da Praia aconteceram em 1979 e acaba por obter notoriedade e aceitação no meio urbano, depois de ser convidado para apresentações oficiais, nomeadamente a participação nas festividades do 5.º aniversário da Independência, mas o apogeu foi atingido em 1981.

Em 1980, o Bulimundo deu os primeiros “shows” na Holanda e na França, e lança um primeiro LP intitulado “Bulimundo”, e um segundo “Djam Brancu Dja” (ambos gravados ao mesmo tempo em Roterdam) e, no ano seguinte, o conjunto faz uma grande digressão à Europa e Estados Unidos.

Constam ainda da sua discografia “Mundo Ka Bu Kaba” (1982), “Êxodo” (1983), “Compasso Pilon” (1984) e “Na Kal Qui Bu Ta Linha” (1991 depois do falecimento de Katchás em 1989) e o último CD seria “Ta N’Deria Ka ta Kai” (1997).

FM/CP

Dans la même catégorie