GNA LiPF engages 50,000 sub holder farmers in two years GNA Covid-19 vaccine doesn’t cause infertility GNA Osei-Owusu refutes Minority’s claim of rejecting three nominees AGP N’Zérékoré/société : Le corps d’un homme lynché découvert au quartier Horoya AGP Kankan/société: Décès de l’Evêque du diocèse de Kankan des suites de covid-19 AGP Dubréka/Société: Calvaire des usagers de la route Dubréka-Falessadé AGP Guinée/Société: Pas de mobilisation à l’occasion de la journée internationale de la femme AGP Guinée/transport: Vers la numérisation de la délivrance des documents de transport APS RIPOSTE CONTRE LE COVID-19 : DES DÉBUTS DIFFICILES, AVEC ‘’UN MANQUE CRIANT DE MOYENS’’ APS FIÈVRE JAUNE : LE DISTRICT SANITAIRE DE TAMBACOUNDA A VACCINÉ 94 % DE SA CIBLE

MYANMAR/PROJECTO DE RESOLUÇÃO NA ONU PEDE LIBERTAÇÃO DE SUU KYI


  12 Février      15        Politique (15480),

   

BISSAU, 12 Fev 21(ANG) – Os europeus apresentaram quinta-feira ao Conselho de Direitos Humanos da ONU um projecto de resolução a condenar o golpe militar em Myanmar (antiga Birmânia), a pedir a libertação de Aung San Suu Kyi e a restauração do governo civil.

O texto, que vai ser debatido na sexta-feira numa sessão extraordinária do Conselho de Direitos Humanos (CDH), pede « a libertação imediata e incondicional de todos os detidos arbitrariamente », incluindo a chefe do governo civil deposto, Aung San Suu Kyi, e o Presidente da República Win Myint, bem como o levantamento do estado de emergência.

O documento pede também o « restabelecimento do governo democraticamente eleito » em Novembro passado, mas não reclama sanções.

O exército de Myanmar tomou o poder a 01 de Fevereiro, detendo Aung San Suu Kyi e muitos outros responsáveis políticos.

Desde então, centenas de milhares de habitantes desceram às ruas em várias cidades desafiando a proibição de reuniões e apesar das inúmeras detenções.

O projecto de texto, proposto pela União Europeia e Reino Unido, apela ao exército e a todas as forças de segurança birmanesas que « se abstenham de qualquer recurso à violência contra manifestantes pacíficos », e exigem também o « levantamento imediato e permanente » das restrições à Internet, redes sociais e telecomunicações.

No texto pede-se ainda ao Relator Especial da ONU sobre a situação dos Direitos Humanos em Myanmar que avalie rapidamente ‘in loco’ a situação.

No entanto, há poucas hipóteses de que Myanmar aceite, já que o país não coopera com esse relator especial desde o ano passado, segundo a ONU.

Em Genebra, alguns diplomatas esperam que a resolução possa ser adotada por consenso, mas não há certezas, pois tanto Pequim como Moscovo apoiam habitualmente o exército birmanês, pelo que a posição destes países na ONU será acompanhada com atenção.

Myanmar viveu sob o jugo do exército há cerca de 50 anos desde a sua independência em 1948. O golpe de 01 de Fevereiro encerrou um breve parêntese democrático de uma década.

O exército contesta a validade das eleições legislativas de Novembro, vencidas de forma esmagadora pela Liga Nacional para a Democracia (NLD, na sigla em inglês), o partido de Aung San Suu Kyi, embora os observadores internacionais não tenham referido nenhuma irregularidade.

Alvo de críticas recentes a nível internacional pela sua passividade durante o genocídio dos militares contra a minoria muçulmana rohingya, Suu Kyi, laureada em 1991 com o Nobel da Paz, passou 15 anos em prisão domiciliar por se opor à junta militar, mas continua a ser apoiada pela maioria da população.

Dans la même catégorie