APS ABDOU KARIM SALL ANNONCE LA CRÉATION DU ’’PRIX DU CHEF DE L’ETAT POUR L’ENVIRONNEMENT (…)’’’’ APS KAOLACK : LE DG DE LA SENELEC OFFRE DES KITS ALIMENTAIRES AUX SINISTRÉS APS CORONAVIRUS : 40 NOUVELLES INFECTIONS ET 2 DÉCÈS SUPPLÉMENTAIRES APS ’’Le Joola’’ : dépôt d’une gerbe de fleurs et minute de silence à Mbao GNA Government will ensure employment security for communication sector workers GNA Akatsi-Wute road accident injures many with five in critical condition GNA Communities advised to desist from divisive politics GNA Agrihouse holds second livestock, poultry tradeshow GNA NDC votes in Volta and Ashanti regions witness decline over the years AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Visite d’Etat: Les sous-préfectures de Bonon et de Gohitafla seront érigées en départements

Não há necessidade de revisão da Lei da Paridade para garantir igualdade nas próximas eleições autárquicas


  13 Août      14        Politique (11391),

   

Cidade da Praia, 13 Ago (Inforpress) – A presidente da Rede Mulheres Parlamentares Cabo-verdianas (RMPC) admitiu hoje, na Cidade da Praia, que não há necessidade de revisão da Lei da Paridade para garantir a igualdade de representatividade nas próximas eleições autárquicas.
Segundo Lúcia Passos, que falava à imprensa após um encontro que manteve com o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, que é também presidente do Movimento para a Democracia (MpD), trata-se de uma lei nova que está ter o seu primeiro teste em termos de participação política das mulheres.
“Ainda não há violação da lei, o que estamos a fazer neste momento é fazer um ‘plaidoyer’ a nível dos partidos políticos e dos candidatos independentes para um trabalho de sensibilização para que possam cumprir a lei”, disse Lúcia Passos, referindo que as mulheres estão em “desvantagem” no que se refere à igualdade de género na participação política.
Essa participação, segundo Lúcia Passos, não se consegue com a revisão da lei, “mas sim com sua aplicação”, apontado que depois das eleições vão ser analisados os impactos da sua aplicação.
“O que temos que fazer neste momento é um ‘forcing’ para o cumprimento e sua aplicação, contando com os órgãos judiciais na altura da apresentação das listas, porque a lei tem os seus procedimentos que demonstram como é que os tribunais devem agir em caso de um partido não cumprir com o princípio da paridade”, explicou.
A Lei da Paridade, aprovado ano passado pelo Parlamento, indica a adopção de todas as medidas destinadas a eliminar qualquer distinção, exclusão ou limitação em função do sexo, que tenham como consequência ou finalidade comprometer ou impedir o reconhecimento, o gozo ou o exercício de direitos relativos à participação política e esferas de decisão.

Dans la même catégorie