ANP Lancement des travaux de construction de la cimenterie de Kao : Concrétisation d’un projet longtemps attendu ! APS LES CHANTIERS DE L’OMVG RÉALISÉS À 95 % À KAOLACK (SG) APS MATAR BÂ PARTICIPE À UN SOMMET INTERNATIONAL SUR LA LUTTE CONTRE LE DOPAGE GNA UN 75th Anniversary: Time for sober reflection GNA CODEO launches training programme for regional coordinators GNA Driver jailed 30 years for robbery AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Présidentielle 2020 : Des organismes internationaux appellent à des élections apaisées en Afrique de l’ouest (Communiqué) AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Plusieurs blessés et un mort dans des heurts entre manifestants et forces de l’ordre à Bonoua AIP Côte d’Ivoire-AIP/ COVID-19: Un seul cas enregistré ce lundi 19 octobre ANGOP Angola: João Lourenço recebe mensagem de Ali Bongo sobre a CEEAC

Novo ano letivo / Alunos vão as aulas aos sábados


  30 Septembre      25        Société (23927),

   

Bissau,30 Set.20(ANG) – O novo ano letivo 2020/2021 vai ter pela primeira vez na Guiné-Bissau, as aulas obrigatórias aos sábados, anunciou esta terça-feira, o ministro da educação, Jibrilo Baldé.

No ato da abertura do ano escolar, que teve lugar na capital guineense, o titular da pasta da educação falou no ajuste do calendário.

“O calendário escolarserá reajustado, para o cumprimento dos 218 dias letivos estipulados pelo governo da República da Guiné-Bissau, incluindo os sábados, como os dias letivos obrigatórios”, anunciou o ministro da Educação, perante representantes das várias estruturas intervenientes no setor educativo guineense.

Jibrilo Baldé disse que o início do ano letivo é para todas as escolas, no dia 05 de outubro.

“Declaro aberto o ano letivo 2020/2021, que se inicia no dia 05 de outubro de 2020, em todo o território nacional e em todas as tipologias de escolas existentes no nosso país. Públicas, privadas, de autogestão e outras”, disse o governante.

Na ocasião, o presidente do Sindicato Democrático dos Professores (SINDEPROF), Laureano Pereira da Costa, declarou  que o atual governo em particular o ministro da Educação estão de parabéns tendo em conta que pelo menos o Orçamento Geral de Estado deste ano ultrapassou as suas perspectiva, que é de 21.3%”.

Da Costa criticou que os sucessivos governantes não se ligam, não se interessam, não pensam, não sonham, não acreditam e por isso, a educação não tem estado a fazer parte das prioridades.

“Se vejamos diferentes Orçamentos Gerais do Estado (OGE), o bolo orçamental dado ao Ministério da Educação é insignificante, o que não corresponde com o Acordo de Bolonha, que pede que sejam dados pelo menos 24%”, disse o sindicalista.

Dans la même catégorie