GNA Tema Police manhunt for two cell breakers GNA Two female bank cashiers charged with stealing GNA Block layer jailed for sexually abusing minor ATOP 59E ANNIVERSAIRE DE L’INDEPENDANCE DU TOGO: LE PRESIDENT DE LA REPUBLIQUE LANCE LE PROJET COMMUNANUTE CONNECTEE ET INAUGURE LE NOUVEAU PORT DE PECHE DE LOME ATOP LES NOUVEAUX MEMBRES DE LA CNDH ENTRENT EN FONCTION ATOP 59 ANS DE L’INDEPENDANCE DU TOGO : PAIX ET SECURITE, LEVIERS DE L’EMERGENCE MAP Caravane médicale de l’AMLS, ou quand le devoir de reconnaissance anime les Marocains lauréats du Sénégal NAN Nigerian Army trains junior commanders on doctrine, combat dev’t NAN NIMASA donates relief materials to victims of natural disasters in Ogun NAN Extra-Judicial Killings: Policemen to work 8-hours daily – I-G

PAICV responsabiliza Governo pela “total estagnação” de São Vicente e pede “cumprimento de promessas” – líder


  8 Novembre      21        Photos (20951), Politique (22719),

   

Cidade da Praia, 08 Nov (Inforpress) – A presidente do PAICV acusou hoje o Governo de “falta de capacidade e sensibilidade” para dar repostas aos problemas que nesses “quase três anos afectam São Vicente” e questionou o Governo “para quando o cumprimento das promessas eleitorais”.

Janira Hopffer Almada falava hoje em conferência de imprensa, na cidade da Praia, no balanço da visita de dois dias a São Vicente, tendo na ocasião afirmando que passados quase três anos, em que a ilha é governada “por uma única força política”, viu “os problemas nas diferentes áreas agravaram-se”.

Para a líder do maior partido da oposição, as medidas adoptadas pelo Governo, nomeadamente o “decreto do hub aéreo” na ilha do Sal já acarretou e continua a acarretar “enormes prejuízos” para as empresas sediadas em São Vicente, e “enormes dificuldades” aos sanvicentinos.

“O povo de São Vicente sabe que tem o seu aeroporto internacional e não entende porque razão o Governo lhe prometeu felicidade e o obriga a se deslocar à Praia ou ao Sal para apanhar voo directo para Lisboa, e, ainda por cima, por um preço muito mais elevado”, disse Almada, sublinhando que “não se pode aceitar mais o argumento de desentendimentos” entre o poder central e local, devido a cor política dos partidos.

CM/AA
Inforpress/Fim

Dans la même catégorie