ACAP Les journalistes sportifs recommandent au gouvernement de subventionner leur l’association nationale ACAP L’Autorité Nationale des Elections (ANE) annonce la date des dépôts des candidatures aux élections groupées du 27 décemnbre2020 MAP OCP Africa et la BAD mobilisent 4 millions USD pour l’accès aux engrais en Côte d’Ivoire et au Ghana AIP Côte d’Ivoire-AIP/ 500 femmes de Bouaflé sensibilisées à la citoyenneté et à la culture de la paix AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Présidentielle 2020 : L’ONG ADSR appelle les jeunes de Gagnoa à être des porteurs de paix AIP Côte d’Ivoire-AIP/Présidentielle 2020 : les structures RHDP d’Agboville en ordre de bataille APS UNIVERSITÉ DE THIÈS : LA GRÈVE DU SAES DANS LE ’’PROCESSUS DE MATURATION’’ D’UNE JEUNE UNIVERSITÉ (RECTEUR) APS DES ACTEURS DE LA FILIÈRE MIL FAMILIARISÉS À DE NOUVELLES VARIÉTÉS AMÉLIORÉES ET HYBRIDES DE L’ISRA ANP Des hommes des médias et des FDS outillés sur la gouvernance et la réforme du secteur de la sécurité ANP Le Président Issoufou Mahamadou inaugure la route Bagaroua-Illela

Perfil: Eleana Semedo “Tatá” – antiga futebolista torna-se na “preta das paletes”


  1 Octobre      7        Sport (4353),

   

Cidade da Praia, 01 Out (Inforpress) – Eleana Semedo, 39 anos, mãe solteira, com três filhos para criar e antiga futebolista é um exemplo de afirmação feminina, por conseguir driblar as adversidades e se afirmar numa profissão essencialmente de homens.
A antiga meio campo da Escola de Futebol EPIF e dos Black Panthers (deixou o futebol em 2012) é hoje uma carpinteira que trabalha essencialmente com paletes (estrado de madeira), confeccionando desde uma simples cadeira, passando por mesinhas, sofás, camas, estantes e outros móveis caseiros, “conforme as indicações do freguês”.
“Tatá”, como é carinhosamente chamada, reportou à Inforpress que tudo começou em 2015, quando “sem nada para fazer” foi convidada por um amigo, que tem uma oficina, para aprender a “arte de trabalhar com paletes”, convite esse aceite e recusado logo no primeiro dia de aprendizagem.
“No primeiro dia tinha que tirar os pregos das madeiras, chegando em casa decidi em não voltar. Após insistência do amigo continuei a ir todos os dias e depois de muitas marteladas nos dedos e outras más fases comecei a aprender”, lembrou.
A tomada de consciência, recordou, foi quando se apercebeu que esse trabalho poderia se transformar no seu “ganha pão”, uma vez que na altura estava “parida” (acabava de ter um filho), situação que classificou de “muito difícil”.
“Foi muito duro, deixar o meu filho com a avó para ir trabalhar. Fiz esse sacrifício e até hoje estou nisso”, lembrou Tatá, vangloriando que actualmente tem uma profissão da qual se orgulha, por ser conquistada com muito empenho e perseverança.
“Joguei futebol desde cedo e jogar bola dizem que é lugar para homens. Não existe separação de trabalho ente homens e mulheres, desde que seja honesto é trabalho. Eu não tinha nada para fazer, se ficasse a esperar por um trabalho de escritório nunca mais “, observou Tatá, afirmando que não está no “mundo dos homens”.
Por isso, Tatá considerou que não está “numa profissão de homens” porque, conforme defendeu, “todo trabalho é trabalho”, e, acrescentou, não existe diferença quando o assunto é ganhar o sustento.
“Estou no meu lugar. O meu lugar é onde quero estar. Não existe lugares de homens e lugares de mulheres. Antes jogava bola e hoje estou nessa profissão a ganhar o meu dinheiro”, clarificou a carpinteira, que classificou a sua passagem pelo futebol, mais concretamente pela EPIF, como uma “escola de vida”.
Actualmente, após anos de labuta, a entrevistada da Inforpress garantiu que já ganhou o seu mercado, “num caminho trilhado sem nenhum complexo”.
“Às vezes saio toda suja para comprar paletes e as pessoas me olham de maneira estranha por ser mulher, mas eu não ligo dado que este é um trabalho como qualquer outro”, contou orgulhosa, afirmando ser um carpinteiro como qualquer outro.
“Este é o meu trabalho e não tenho vergonha. Enquanto continuar a ganhar o meu pão honestamente vou continuar e sem complexo, embora, no início, tenha passado por alguns constrangimentos”, contou.
Neste particular, relatou que, muitas vezes, as pessoas quando chegam para encomendar um mobiliário perguntam pelo “senhor que trabalha na oficina”, pensando, de antemão, que só os homens podem ser carpinteiros.
“Não acreditam que uma mulher pode fazer este trabalho, mas já estou acostumada e agora nem ligo, porque é um labor como qualquer outro “, lamentou.
Posto isto, a artista nascida e criada no bairro de Ponta Chicharro, na cidade da Praia, apontou outros caminhos a trilhar, que passam por requalificar a sua oficina e ensinar os jovens, “de preferência meninas” essa arte/profissão que classificou de “digna e gratificante”.
“Eu posso ser um espelho para muitos jovens e, por isso, quem quer aprender estou disposta a ensinar”, vangloriou.
Mas para isso, disse que terá que criar melhores condições na sua oficina – trabalha na rua – uma vez que o “pardieiro” onde trabalha está em ruínas e em risco de desmoronar-se.
“Trabalho na rua e às vezes lá dentro por causa do sol. É um risco porque qualquer hora pode desabar, embora o tecto esteja sustentado com dois barrotes”, revelou Tatá, informando que “Preta das Paletes” vai ser o nome da sua remodelada oficina.
Quando os princípios do empoderamento das mulheres e igualdade de gênero estão na ordem do dia, Eleana Semedo, a “Tatá das Paletes”, se considera uma “mulher empoderada”, por ter conseguido se “reinventar”.
“Aos jovens, que queixam por falta de trabalho, digo-os para se reinventarem, terem força de vontade, a não esperar e saberem o que realmente querem”, indicou, Tatá, apelando a jovens mulheres para a verem como um exemplo de afirmação.

Dans la même catégorie