APS JOJ 2026 : 2022 SERA LE DÉBUT D’UNE SÉRIE D’ACTIONS CONCRÈTES SUR LE TERRAIN (ORGANISATEURS) APS PLAIDOYER POUR LA CRÉATION D’UNE AGENCE DE CONTRÔLE DE LA SÉCURITÉ SANITAIRE DES ALIMENTS ANP Niger : Bientôt une école de l’Armée de l’Air à Agadez et un centre de formation de 5000 jeunes militaires par an à Keita (Président Bazoum) GNA Minister asks illegal sand miners to stop operation or face the law ANP Ouverture de l’école militaire supérieure de Niamey : Une « nécessité lancinante »pour le Niger, selon le Président Mohamed Bazoum AGP Gabon : Les Présidents des Juridictions désormais outillés AGP Gabon : Les enjeux du Congrès international des Barreaux expliqués à Ali Bongo Ondimba ACP Le Premier ministre Sama Lukonde s’engage dans l’opération « Zéro trou à Kinshasa » ACP Organisation à Kinshasa d’une table ronde sur la mise en place d’un fonds national de réparation en faveur des victimes de violences sexuelles ACP Le Sénat vote le projet de loi autorisant la prorogation de l’état de siège au Nord-Kivu et en Ituri.

Política/ʺQuatro deputados da APU-PDGB continuam fiéis ao acordo de incidência parlamentar assinado com PAIGCʺ diz líder de bancada parlamentar


  25 Juin      22        Politique (18983),

   

Bissau, 25 Jun 21 (ANG) – O Líder da Bancada parlamentar da Assembleia do Povo Unido- Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB) reafirma que os quatro deputados daquela formação politica continuam fiéis ao acordo de incidência parlamentar assinado com o Partido Africano para Independência da Guiné-Bissau e Cabo-Verde até a data presente.
Marciano Indi falava em entrevista à Agencia de Noticias da Guiné sobre a fidelidade do refirido acordo assinado entre as duas formações politicas, após as eleições legislativas de 2019.

ʺDesde que nosso partido APU-PDGB assinou o acordo com o PAICG e nós deputados de APU, os quatro na altura prometemos respeitar o acordo e vamos continuar a respeitá-lo”,prometeu.

Acrescentou que as acções e comportamento dos quatro deputados na Assembleia Nacional Popular demonstra que estão ainda fiel ao acordo e continuam alinhados sempre as posições do PAIGC.

Por isso, sustentou que desde que foi posto em causa o governo democraticamente eleito pelo povo, participaram nas reivindicações promovidas pelo partido vencEdor das legislativas.

Marciano Indi referiu que quando houve desentendimento no seio do partido e o presidente da APU decidiu abandonar a votação do programa, os quatro deputados acharam que não podiam fazer o mesmo, por não ser justo.

Acrescentou que o PAIGC deu a APU cinco pastas de governação entre as quais, três ministérios e duas secretarias de Estado, para além de direcções gerais, e mais as funções de primeiro vice-presidente da ANP na pessoa de presidente de APU, facto que levou o partido a assinar o acordo com o PAIGC.

ʺComeçamos a funcionar no parlamento, se vier o programa do governo ao qual os nossos ministros fazem parte, e o partido não chegou de reunir para analisar o acordo e dibiliberar sobre a continuidade ou não, eu como líder da bancada não tenho nada a dizer, a não ser instruir os deputados a cumprirem a decisão do partido,que passa pela aprovação do programa apresentado na altura pelo governo ao qual faz parte elementros do PAIGC, APU-PDGB, PND e da União para Mudança”, explicou.

Disse que, simplesmente cumpriram com aquilo que está estabelecido no partido, assim como no acordo e que até hoje continuam a respeitar o acordo mesmo que o PAIGC não esteja na governação, devido a situação que todos conhecem.

Aquele responsável disse que estão a fazer a oposição construtiva para apoiar, e que tem chamado a atenção aos governantes sobre o que está mal, porque, segundo disse, o seu desejo maior é “ver a Guiné-Bissau progredir”.

Indi referiu que não é ambição de poder, e que se fosse poderiam participar em outros governos ou até no actual, visto que foram convidados mas que recusaram,por causa do acordo com o PAIGC, que, segundo dizem não deve ser posto em causa.

ʺO partido não pronunciou sobre aquilo, não posso colaborar para não pôr em causa a própria decisão do partido. Se a água é maior que a farinha, as coisas ficam como são. Estamos a acompanhar a evolução da situação politica no país. O problema que existe na ANP reside no incumprimento da lei disse”.

Dans la même catégorie