AIP Législatives 2021: Les élections se sont déroulées dans la sérénité à Bocanda AIP Séverin Guibessongui rend hommage à sa défunte suppléante de Niakara-Tortiya-Arikokaha AIP Législatives 2021 : Le dépouillement observé dans les différents bureaux de vote à Man dès 18 h AIP Législatives 2021 : Beugré Mambé félicite la population de Songon pour sa participation au scrutin AIP Législatives 2021 : Au total 94 bureaux de votes sécurisés dans la commune de Songon AMI Colloque de réflexion sur le bilan de la présidence mauritanienne du G5 Sahel AMI CAN U 20 Mauritanie 2021 : le Ghana s’adjuge le trophée MAP Hasna Ammar, une militante infatigable pour l’autonomisation des femmes rurales à Aoufous AIP Législative 2021: Démarrage du dépouillement des votes à San-Pedro AIP Législatives 2021 : Koné Kafana se réjouit du bon déroulement du scrutin à Yopougon

Política/Madem G-15 qualifica de “denúncia caluniosa” o que diz ser acusações do PAIGC contra o seu líder Braima Camará


  29 Janvier      16        Politique (15728),

   

Bissau,29 Jan 21(ANG) – O secretário nacional em exercício do Movimento para Alternância Democrática(Madem G-15), qualificou de “denúncia caluniosa”, o que considera de “acusações proferidas pelo Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde(PAIGC), contra o coordenador do partido, Braima Camará”.
“No dia 27 de Janeiro, ouvimos o teor da conferência de imprensa levada a cabo pelos dirigentes do PAIGC na qual proferiram denúncias caluniosas contra o coordenador do Madem G 15, Braima Camará”, disse hoje o secretário nacional em exercício do Madem G-15 Tomás Gomes Barbosa, em conferência de imprensa.

O Partido Africano da Independência de Guiné e Cabo-Verde (PAIGC), exigiu no passado dia 27 do corrente mês ao ministro das Finanças esclarecimentos sobre a decisão de liquidar 3.184.842.278 FCA(três mil milhões, cento e oitenta e quatro milhões , oitocentos e quarenta e dois mil e duzentos e setenta e oito francos cfa) a favor do Grupo-Malaika, propriedade do Coordenador de MADEM-G15, Braima Camará.

Em resposta, o secretário nacional em exercício do Madem G-15, disse que, essa acusação é um acto de retrocesso num processo que está em busca de ser consolidado em termos de paz e progesso do país.

“Queremos dizer as pessoas de que, já chega e basta de manipulação da opinião pública, tendo em conta que o país já foi fatigado durante os 48 anos da sua independência e ao fim ao cabo o povo continua mergulhado na imensa pobreza”, disse.

Tomás Barbosa disse que todas as menções feitas contra o coordenador do Madem G-15 não correspondem a verdade, acrescentando que é fundamental saber desassociar, o Braima Camará enquanto líder do Madem com o Grupo Malaika.

“Penso que todos nós ouvimos a reação do director do Grupo Malaika sobre esse processo e do próprio ministro das Finanças”, disse.

O secretário nacional do Madem G-15 afirmou que existe um provérbio que diz “quem não deve não teme”, frisando que, por isso estão confiantes, tendo exortado aos dirigentes do PAIGC para avançarem com o processo para a justiça tal como têm afirmado.

“A justiça está para fazer o seu trabalho. A Procuradoria Geral da República está para cumprir o seu papel consagrado na Constituição da República”, salientou Tomás Barbosa.

Aquele responsável afirmou que só na Guiné-Bissau é que o Estado deve uma pessoa ou empresa e não pode haver encontro de contas, adiantando que foi o que aconteceu com o Grupo Malaika, e que logo começou-se a “perpetração de falsas declarações” de que houve pagamentos em dinheiro avultados.

Segundo o ministro das finanças, João Alage Mamadu Fadia, o pagamento ao Grupo Malaika se deve aos serviços prestados ao Estado pelo Hotel Malaika, propriedade do Grupo Malaika, cujo dono é o actual coordenador do Madem G-15.

Dans la même catégorie