ANP Des parlementaires sur le Chantier du 3ème pont, au Centre National de traitement du permis biométrique et à la Soniloga ANP Fin à Niamey de la 1ère session ordinaire du Conseil Economique, Social et Culturel (CESOC) ANP Région de Zinder : Un accident de circulation entre deux véhicules de transport fait 18 morts APS APPEL À LA PROMOTION DE RÉGIMES ALIMENTAIRES SAINS POUR ENDIGUER LA FAIM APS L’AFRIQUE POURRAIT ABRITER PLUS DE LA MOITIÉ DES PERSONNES SOUFFRANT DE LA FAIM CHRONIQUE EN 2030 (FAO) APS COVID-19 : PLUS DE 130 MILLIONS DE PERSONNES POURRAIENT BASCULER DANS LA PAUVRETÉ EN 2020 (ÉTUDE) APS PRÈS DE 690 MILLIONS DE PERSONNES ONT SOUFFERT DE LA FAIM EN 2019 (FAO) APS ’’BOURSES D’ACCOMPAGNEMENT’’ : LES PRÉCISIONS DE LA DIRECTION GÉNÉRALE DE L’ENSEIGNEMENT SUPÉRIEUR APS PLUS DE 510 MILLIONS DE FRANCS RÉPARTIS AUX ARTISTES EN 2019 (SODAV) APS UN POINT FOCAL SE FÉLICITE DES RÉSULTATS DU PROGRAMME ’’BADIÈNU GOX’

Política/Vice-presidente da APU-PDGB pede reconciliação urgente da família apuana


  4 Juin      14        Société (20663),

   

Bissau,04 Jun. 20(ANG) – O quinto vice-presidente da Assembleia do Povo Unido Partido Democrático da Guiné-Bissau(APU-PDGB), pediu uma reconciliação urgente da família apuana de forma a delinearem as estratégias futuras para tornar o partido mais forte.
Batista Té, em declarações à imprensa após a primeira reunião para a reconciliação realizada hoje na sede do partido, disse que neste primeiro encontro auscultaram as preocupações dos dirigentes e militantes do partido face ao actual cenário político.
“Nesta primeira reunião pedimos as pessoas para exporem as suas preocupações no que toca a actual situação interna do partido e para se abdicarem de certas situações de desavenças porque  não irá contribuir para a reconciliação do partido”, disse.
Batista Té informou que , daqui à 15 dias irão realizar uma nova reunião  mais abrangente com vista a definir as estratégias de reconciliação.
“Quando temos o partido dividido, porquê que não podemos criar uma  Comissão de diálogo de cada parte para sentarem a mesma mesa para diagnosticarem os males que provocam a divisão interna, por forma a encontrarem uma solução”, disse.
Batista Té sublinhou que ninguém pode criar uma organização com todos os documentos aprovados para depois surgirem correntes que estão a pisá-los.
O quinto vice-presidente da APU-PDGB questiona como é possível seguir os passos de um dirigente do partido que não está a respeitar os seus estatutos.
“Contudo, entendemos que devemos sentar a mesma mesa de diálogo para discutirmos os pontos da nossa divergência, para unirmos e tornar o partido mais forte”, frisou, acrescentando que a APU-PDGB tem que ser um partido forte.
Batista Té disse que a crise com que se depara o partido não é de fundo, e que veio de fora com o intuito de dividir os militantes do partido.
“Como somos maduros na política entendemos que não devemos ficar de braços cruzados para ver a APU-PDGB a ir para ao abismo”, sustentou.
Questionado sobre se é fácil reconciliar a família apuana com a totalidade dos elementos da sua direcção de costa viradas com o seu líder, Batista Té respondeu que não há nada difícil, se as pessoas têm um bom senso e fê em Deus para se sentarem e dialogar-se.
A APU-PDGB estabeleceu recentemente um novo acordo de incidência parlamentar e governativa com Madem G-15 e PRS, para assegurar uma maioria parlamentar mas quatro de seus deputados declararam que continuam fiéis ao acordo com o mesmo objectivo assinado em 2019 com o PAIGC.
O partido tem estado a aparecer em negociações para a criação de um novo governo de base alargada com duas delegações.

Dans la même catégorie