GNA Consolidated Bank to support growth of SMEs GNA Larabanga to get Police Post GNA Canteen Electoral Area gets a mechanized borehole APS DES DÉCÈS SIGNALÉS PARMI DES PERSONNES SÉQUESTRÉES DEPUIS DEUX ANS À DAKAR (GENDARMERIE) APS FOOTBALL : DÉCÈS DE PAPE BOUBA DIOP, ANCIEN MILIEU DE TERRAIN SÉNÉGALAIS MAP L’Union des journalistes de la presse libre africaine salue le professionnalisme de l’intervention marocaine à El Guerguarat MAP El Guerguarat: Le Groupe d’amitié parlementaire Mexique-Maroc soutient l’action pacifique du Maroc ANP Zinder : 42 Milliards de FCFA d’investissements réalisés dans le domaine de l’électrification de la région (Ministre) GNA Akufo-Addo advises party members against voting ‘skirt and blouse’ GNA Huawei Seeds for the Future has given us a new ICT Perspective – Beneficiaries

Porto Novo: Produtores agrícolas preocupados com a situação do centro pós-colheita


  2 Novembre      5        Agriculture (1728),

   

Porto Novo, 02 Nov (Inforpress) – O centro pós-colheita no Porto Novo, em Santo Antão, tem estado, praticamente, de portas fechadas, situação que está a preocupar os produtores agrícolas neste concelho, que voltam a insistir na deslocalização desta infra-estrutura.

Alguns produtores agrícolas, abordados pela Inforpress, alertam para a situação deste espaço de tratamento, embalagem e conservação de produtos agrícolas, que, nos últimos anos, tem estado, praticamente, fechado, situação que piorou com a pandemia do novo coronavírus.

A delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) no Porto Novo informou que este centro, operacionalizado em 2013, tem estado em actividade, mas se trata de “um funcionamento residual”, oferecendo serviços a “um grupo muito reduzido de operadores”.

Segundo o delegado do MAA, Joel Barros, este centro de expurgo tem estado a funcionar com apenas cinco ou seis operadores, que exportam produtores agrícolas para a ilha do Sal.

Porém, o MAA, segundo Joel Barros, mantém a ideia de deslocalizar esta infra-estrutura para as instalações do porto do Porto Novo, tendo este ministério já recebido o “aval” da Empresa Nacional da Administração dos Portos (Enapor) para o efeito.

O centro pós-colheita começou a operar em 2013 e sempre funcionou com dificuldades, devido a “muitas vulnerabilidades” que o espaço apresenta, que, sobretudo, têm que ver com a sua “má localização” e com o custo elevado de funcionamento.

Este espaço, que representou um investimento de 120 mil contos (construção e equipamento), fica nos arredores da cidade do Porto Novo, numa zona afastada do porto, facto que, segundo os operadores, cria “vários constrangimentos”, nomeadamente em termos de custos do serviço, que é prestado.

O centro de expurgo foi construído no quadro do primeiro compact do programa Millenium Challange Account (MCA) para contornar o problema do embargo imposto aos produtos agrícolas de Santo Antão, por causa da praga dos mil-pés.

Dans la même catégorie