AIP Côte d’Ivoire/JIF 2019 dans le Bounkani: D’importants dons offerts aux groupements féminins AIP Un nouveau bureau MCC chargé de l’égalité entre les genres ouvert en Côte d’Ivoire AIP Côte d’Ivoire/ Deux monuments en construction pour embellir Touba AGP Le Maroc sollicité pour la mise en place d’un Institut supérieur de formation agricole au Gabon AIP Côte d’Ivoire/ Un atelier sur le droit communautaire UEMOA à Abidjan AIP Côte d’Ivoire/ Des séances de dépistage du cancer du col de l’utérus à Yamoussoukro Inforpress Moradores de Cidadela vão pedir na justiça suspensão das actividades do posto de combustível da Enacol Inforpress Bolsa de Acesso à Cultura vai financiar mais 70 escolas e associações a nível nacional Inforpress Porto Novo: Rede de água contempla centena de famílias em Lombo Figueira, Ribeirão Fundo e Água das Caldeiras AIP La Première dame de Côte d’Ivoire appelle à l’accélération des réformes pour le développement du secteur privé et la promotion de l’entrepreneuriat féminin

Presidente da Assembleia Nacional diz que fenómeno da seca no mundo é algo que “deve unir a todos”


Cidade da Praia, 22 Mar (Inforpress) – O presidente da Assembleia da Assembleia Nacional, Jorge Santos, disse hoje que a problemática da seca no mundo é algo que “deve unir a todos”, e em relação ao qual se deve construir uma “estratégia comum de intervenção”.
“Não há nenhuma razão para continuarmos a deixar a situação actual a degradar-se”, alertou o presidente do Parlamento cabo-verdiano, para quem a água existe, assim como as tecnologias que podem ser “constantemente aperfeiçoadas”.
Jorge Santos, que fez essas considerações no encerramento do Primeiro Fórum sobre a Escassez de Água na Agricultura, que decorreu durante três dias na Cidade da Praia, apelou a uma intervenção de “forma concertada” a nível global em que cada país assume a sua responsabilidade numa “estratégia de intervenção cooperativa”.
Segundo ele, este primeiro fórum foi “muito importante” para Cabo Verde, já que permitiu sistematizar muita informação, além de ter proporcionado “troca de experiências com outras realidades”.
“Foi também um momento de darmos a conhecer ao mundo aquilo que é a nossa realidade em termos de escassez de água e como lutámos ao longo de toda a nossa história com as secas”, indicou o chefe da casa parlamentar cabo-verdiana, ajuntando que, nos últimos 200 anos pluviométricos, Cabo Verde registou 96 anos de seca.
Na perspectiva de Jorge Santos, a seca no arquipélago provocou “muitas catástrofes humanitárias”, mas o cabo-verdiano “venceu e sobreviveu”.
“A seca e a escassez de água foram para nós uma oportunidade de crescimento”, enfatizou, lembrando que Cabo Verde é um país coberto de água em 99,5% (por cento) e que há cerca de 50 anos o arquipélago adoptou a dessalinização da água do mar para o consumo humano.
LC/FP

Dans la même catégorie