GNA Ghana records new Coronavirus variants-President GNA President charges traders, transport operators to strictly observe COVID-19 protocols GNA President instructs IGP to enforce law on mask wearing GNA Government will force another lockdown if necessary-President Akufo-Addo AIP Le leader de l’opposition ougandaise rejette les résultats de l’élection présidentielle AIP Une mission de sensibilisation des parties prenantes sur les enjeux du PAPSE à Bouna AIP L’absence de centre culturel à Bouna constitue une difficulté pour les promoteurs de spectacle (Feature) AIP L’ONG Boby offre kits de vêtements aux nouveaux-nés et à l’école coranique de Gagnoa AIP Le gouverneur du District 403 A2 du Lions Club International effectue une visite de travail à Bouaké AIP Rétrospective 2020: Une nette amélioration au niveau du bitumage des voies dans la région du Tonkpi

Presidente da República felicita escritor Mia Couto pelo prémio Jan Michalski


  10 Décembre      18        Société (27368),

   

Cidade da Praia, 10 Dez (Inforpress) – O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, felicitou hoje o escritor moçambicano Mia Couto, pelo Prémio Jan Michalski, com a obra literária “As Areias do Imperador”, que o classifica como “magnífica trilogia”.
“Gostaria de lhe expressar a minha satisfação por mais esta distinção na sua carreira literária. Naturalmente que o júri do Prémio Jan Michalski tem bom gosto e usa ajustados critérios, premiando um dos grandes escritores desta nossa língua portuguesa, através desta magnífica trilogia, As Areias do Imperador”, lê-se na missiva do Chefe de Estado.
Na sua mensagem, o mais alto magistrado da Nação considerou “feliz do país que pode contar entre os seus homens de letras com alguém comprometido com a sua história e fazendo da vivência, dos seus mitos, do dia-a-dia de homens e mulheres que o constroem, o campo de mineração das suas histórias, trazendo-as para as suas páginas, até nós”.
O Chefe de Estado disse que recorda, com amizade e um sentimento de satisfação, o encontro entre os dois na cidade da Praia, há dois anos, “com a sala repleta que o esperava para o ouvir”.
Considerou que “os cabo-verdianos tiveram essa oportunidade para expressar toda a sua admiração” pelo trabalho de Mia Couto, convicto que estiveram “atentos a esse mundo mágico que continua a trazer, em cada livro que publica”.
É um dom raro essa capacidade de construção literária, referiu Jorge Carlos Fonseca, que enalteceu a oralidade, crenças e a realidade histórica, de Mia Couto “como forma de interpretar e dar voz às ansiedades dos povos desse grande país que é Moçambique”, país que o mesmo considera dos cabo-verdianos e dele também.

Dans la même catégorie