MAP SM le Roi félicite M. Mohamed Bazoum suite à son élection Président de la République du Niger ACP Haut Katanga: la recherche pointue au cœur d’un séminaire à UNILU ACP Kwilu : 3.900 kg d’arachides décortiquées récoltées aux champs de multiplication des semences de l’INERA Kiyaka ACP La Première Dame D. Nyakeru satisfaite de l’avancement des travaux de réhabilitation et de construction du « CFMA » ACP Le Chef de l’Etat lance bientôt les travaux d’aménagement des sites pour les 9èmes Jeux de la Francophonie ACP Visite de réconfort du gouverneur Gentiny Ngobila à la famille du patriarche N’Singa Udjuu ACP Le projet « Tufaulu Pamoja-Réussir ensemble » pour l’amplification de la voix des femmes dans la prise de décision ACP Le Regroupement politique  Zaïre a échangé avec le Premier ministre SamaLukonde ACP Lancement à Kinshasa de la première édition du Salon Congo éducation ACP Réglementation de la circulation des diplomates sur le territoire de la RDC

Presidente da UCID pede suspensão da detenção do advogado Amadeu Oliveira


  22 Février      13        Société (29211),

   

Cidade da Praia, 22 Fev (Inforpress) – O presidente da UCID, António Monteiro, classificou este domingo a detenção do advogado e ex-procurador da República Amadeu Oliveira, de “vergonha nacional” e pediu que a mesma seja suspensa, o quanto antes a bem da tranquilidade e paz social.

Em conferência de imprensa na cidade da Praia para reagir ao acto de detenção que presenciou e filmou, António Monteiro, disse que houve um “exagero e um abuso de poder”, não por parte dos agentes policiais que cumpriram a sua missão, mas da parte do tribunal que mandou deter o advogado como se de um alto criminoso se tratasse.

“Nós estamos a falar de um advogado que conhece bem a lei, um ex-procurador da República, um grande advogado, um homem que luta por uma justiça transparente. Pode até exagerar na sua forma de falar e de agir, mas aqui o essencial é o que está por detrás dessas situações”, disse.

“Achamos que a actuação não foi a melhor, até porque lendo o mandado de detenção ao falar em militares isso implica dizer que estamos a falar de um alto criminoso o que nem de perto e nem de longe é o caso de Amadeu Oliveira”, acrescentou.

António Monteiro salientou que a não comparência no tribunal nos dias 6, 7, 8 de Janeiro e no dia 13 de Janeiro (feriado nacional) não justifica a decisão extrema, até porque, conforme adiantou, as faltas ao tribunal foram todas justificadas pelo advogado Amadeu Oliveira.

“Se ele faltasse amanhã, acho que sim, a juíza poderia emitir um mandato naquele momento para ir buscar o cidadão para depor no tribunal. No momento, a decisão era considerada razoável porque nós não estamos a falar de um criminoso”, disse, acrescentando que apesar de ter tomado conhecimento pelos órgãos de comunicação social do julgamento desta segunda-feira, 22, o mesmo já tinha manifestado “publicamente que ia colaborar com a justiça”.

“O advogado Amadeu Oliveira teve conhecimento do julgamento que vai acontecer amanhã através dos órgãos da comunicação social. Em nenhum momento foi notificado. Portanto nós não entendemos como é que não se notifica um cidadão e manda-se deter este cidadão para comparecer à justiça”, sustentou.

António Monteiro aproveitou desde já para esclarecer que a UCID não está a querer intrometer-se na justiça, mas sim a defender a sua causa que passa por uma justiça transparente e justa em Cabo Verde.

O advogado Amadeu Oliveira foi detido no final da tarde de sábado, 20, na cidade da Praia, pela Polícia Nacional através da Direcção Central de Investigação Criminal.

O advogado é acusado pelo Ministério Público de 14 crimes de ofensa e injúria contra os juízes do Supremo Tribunal de Justiça, Benfeito Mosso Ramos e Fátima Coronel, a quem vem apelidando de “gatunos, falsificadores e aldrabãozecos”.

MJB/ZS

Dans la même catégorie