ANP Niger : Le gouvernement se penche sur le phénomène de la mendicité dans le pays ANP Le Président de la République nomme un nouveau président de l’Autorité de lutte contre la corruption au Niger ANP Niger : Les épreuves écrites de la session 2021 du baccalauréat, prévues pour le 27 juillet, reportées au 4 août prochain ANP Le Niger se dote d’une stratégie nationale de couverture sanitaire universelle pour la période 2021-2030 ACAP Ouverture à Bangui des travaux de la Table-ronde du secteur forestier ACAP Les Magistrats recommandent l’engagement systématique des poursuites disciplinaires à l’encontre des juges indélicats ACAP Le gouvernement condamne les exactions perpétrées près de Bossangoa ACAP Le Ministre de la Justice s’entretient avec l’Ambassadeur de France en Centrafrique GNA Government to establish girls STEM SHS in Accra GNA Murdered Constable Emmanuel Osei laid to rest

Presidente do ICIEG defende legislação sobre o teletrabalho para beneficiar as mulheres grávidas


  22 Octobre      28        Emploi (294),

   

Cidade da Praia, 22 Out (Inforpress) – A presidente do ICIEG, Rosana Almeida, defendeu hoje a necessidade de se legislar sobre o teletrabalho para beneficiar, sobretudo as mulheres grávidas, permitindo-lhes laborar a partir da casa.
De acordo com a responsável do Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e Equidade do Género (ICIEG), durante o confinamento, por causa da pandemia da covid-19, que ainda afecta o País, “as mulheres grávidas sentiram-se desprotegidas”, quer a nível de informação, quer no concernente à orientação.
“Para não haver retrocesso nos ganhos que Cabo Verde já conseguiu a nível da saúde sexual e reprodutiva, as organizações que operam neste sector vão ter que traçar medidas para que o planeamento continue a ser feito de forma a não deixar ninguém para trás”, precisou Rosana Almeida.
A presidente do ICIEG fez essas considerações à imprensa, à margem do ateliê de socialização do estudo sobre o impacto da covid-19 na desigualdade de género, estudo esse realizado pela Afrosondagem sob a encomenda daquela instituição.
“A participação [dos homens] nas tarefas domésticas é um indicador muito bom em termos de algum alcance positivo que as políticas de igualdade do género estão a chegar à sociedade”, afirmou Rosana Almeida, para quem, apesar desses avanços registados, as mulheres continuam “sobrecarregadas”, porque, além de trabalho no seu emprego, realizam, também, tarefas domésticas.
O estudo recomenda, ainda, uma legislação que permite a suspensão do trabalho presencial para os cuidadores de criança, pessoa idosa ou com deficiência que esteja em confinamento domiciliar ou hospitalário por infecção ou exposição à covid-19.
Instada se o ICIEG vai acompanhar a aplicação das recomendações do referido estudo, a presidente do ICIEG assegurou que a instituição dispõe de um comité que faz o monitoramento das políticas de igualdade do género a nível nacional.
“Cada ministério tem um representante [no comité], o que significa que o ministério A, B ou C vai seguir como que as medidas estão a ser seguidas”, apontou, concluindo que “haverá todo um seguimento que é feito pela comissão interministerial da abordagem do género”.
Relativamente às cestas básicas distribuídas por ONG e câmaras municipais, o estudo recomenda que estes apoios sejam complementados com outros produtos de primeira necessidade, como o gás para cozinhar, produtos de higiene íntima durante o período menstrual e preservativos.
O estudo demonstra, por outro lado, que o sector informal, dominado essencialmente por mulheres, é dos mais afectados pela pandemia e, daí, a camada feminina ser a mais atingida.
“A procura pelos serviços de saúde durante o período de covid-19 diminuiu, particularmente na fase inicial de implementação do estado de emergência”, revela o estudo, adiantando que esta redução ficou a dever-se ao medo de as pessoas contraírem o vírus nas instalações médicas.
Este estudo visa conhecer o impacto do surto da covid-19 nas mulheres e meninas (especialmente sobre as mulheres do sector informal, as profissionais de saúde, as grávidas e puérperas e empregadas domésticas) em Cabo Verde, por serem grupos especialmente vulneráveis face ao contexto da pandemia que vive o país.
O estudo foi realizado durante o mês de Julho do corrente ano, com o inquérito feito entre os dias 10 a 20 de Julho e as entrevistas e sessões de focus grupos entre os dias 20 a 30 de Julho, abrangendo a população com a idade a partir dos 18 anos.
Ao todo, foi um total de 1.000 amostras que contemplaram as ilhas de Santiago, Sal, Fogo e São Vicente.

Dans la même catégorie