ATOP L’ONG CATHOLIC RELIEF SERVICES (CRS) A OBSERVE LA JOURNEE COMMUNAUTAIRE ATOP DROITS DE L’HOMME ET CORRUPTION AU TOGO : LE CACIT FORME LES ACTEURS ATOP LES ACTEURS EN ATELIER BILAN A KARA ATOP LE PRIX TOGOLAIS DE LA QUALITE ET LES JOURNEES NATIONALES DE LA QUALITE LANCES GNA We urgently need electricity and water-Kandema residents GNA Absence of decentralized state institutions hindering access to services – Study GNA President launches 2017/2018 census on agriculture report GNA Zanko Paani residents in dire need of potable water AIP Présidentielle 2020: Patrick Achi vante les mérites du candidat Alassane Ouattara à Grand-Bassam AIP Présidentielle 2020: Le préfet de Dabou lance un appel au calme

PSD entrega à PGR denúncia sobre “actos praticados” pelas Forças Armadas


  18 Septembre      11        Justice (896),

   

Cidade da Praia, 18 Set (Inforpress) – O coordenador político nacional do Partido Social Democrático (PSD) entregou hoje à Procuradoria-Geral da República (PGR), uma denúncia sobre os “actos praticados” pelas Forças Armadas, alegando que têm “injuriado a população com armas de guerra”.
Em declarações à imprensa, depois de dar entrada à denúncia, José Rui Além, justificou, afirmando que tais actos não são permitidos pela Constituição da República, que indica que as Forças Armadas não podem abordar os civis.
“Isso é atribuição da Polícia Nacional, por isso trata-se de uma usurpação de funções porque a Constituição da República divide a segurança interna da defesa militar do Estado, sendo que a segurança interna é atribuída à Polícia Nacional”, explicou.
José Rui Além ressalvou que, segundo a Constituição da República, as Forças Armadas podem intervir apenas no espaço marítimo e que a nível interno só podem intervir no estado de sítio.
“No estado de emergência têm que apoiar população que só é subordinada às chefias militares no estado de sítio”, esclareceu.
O dirigente do PSD acrescentou, por isso, que o acompanhamento dos militares às acções do Inspecção-geral das Actividades Económicas (IGAE) para o controlo do uso das bebidas alcoólicas na via pública também não são atribuições das Forças Armadas.
“As Forças Armadas, em momento algum, podem estar nas ruas com armas, só servem no solo cabo-verdiano para ajudar as populações, como aconteceu nas tragédias provocadas pelas últimas chuvas”, disse José Rui Além, lembrando que são funções dos militares o combate ao crime organizado e tráfico de estupefacientes e armas.
Por isso, classificou esses actos de “terrorismo e rebelião”, sendo que, preenchem os requisitos de crimes punível pelo Código Penal e apela para que os “autores sejam identificados e que as consequências pelos tais actos não fiquem impune, para que o Estado de Direito Democrático não seja decapitado”.

Dans la même catégorie