GNA Fertilizer can be used for other nefarious activities – Police GNA Ghana’s petroleum revenue must be utilized judiciously – PIAC GNA KPMG Appoints New Senior Partner ATOP REMISE OFFICIELLE DES INFRASTRUCTURES MARCHANDES AU MARCHE PREFECTORAL D’ELAVAGNON ANP BEPC 2019 Maradi : 32.523 candidats se sont lancés pour les épreuves ANP Le Président de la République reçoit l’ancien Chef d’Etat béninois Soglo ANP Niger : La loi réprimant la cybercriminalité adoptée au parlement GNA NADMO disburses GH814,000.00 to support June 3rd disaster victims GNA Stratcomm launches 7th Edition of Ghana Garden and Flower Show GNA Tema Kwasea Dwaso traders appeal for more time

RAMAO destaca mulher na construção de sociedade sustentável e pede mais inclusão social e empoderamento


Cidade da Praia, 02 Mar 2017 (Inforpress) – A contribuição da mulher na construção de uma sociedade sustentável é indispensável para o desenvolvimento do país, mas para isso é preciso participação e ferramentas para uma maior inclusão social e empoderamento feminino.
A presidente da Associação das Mulheres da África Ocidental – Célula de Cabo Verde (RAMAO), Josefina Chantre Fortes, Fez essas considerações hoje em declarações à Inforpress, no âmbito das comemorações dia 08 de Março, Dia Internacional da Mulher e do 10º aniversario da RAMAO.
Para assinalar a data a associação realiza sexta-feira, 03, na Cidade da Praia, uma conferência intitulada “Lideranças Femininas em África” cujo objectivo, segundo explica Josefina Chantre Fortes, é reflectir sobre a participação feminina no desenvolvimento do país e analisar os obstáculos que têm impedido que este avanço esteja ainda aquém dos 50/50 pretendidos.
“Temos de atingir essa paridade para alcançar os objectivos sustentáveis, indispensáveis para uma sociedade desenvolvida. Para isso, temos de acabar com tantas mulheres analfabetas e dota-las de ferramentas para que possam ajudar no desenvolvimento do país”, disse.
Segundo a presidente da RAMAO, a importância do papel da mulher no desenvolvimento sustentável da sociedade já não é um tema apenas teórico ou uma discussão meramente intelectual. Ela é um facto objectivo e urgente, que une as mulheres de todo o mundo na consciencialização do seu papel fundamental para que esse desenvolvimento sustentável seja alcançado.
No caso de Cabo Verde, garante que apesar de a mulher ter conseguido muitos ganhos e legislações muito boas, ainda persistem muitos desafios a serem vencidos, particularmente no que respeita a ferramentas para o seu empoderamento.
“Neste momento estamos a trabalhar o desenvolvimento sustentável, mas penso que o diagnóstico está feito, as intenções são boas, as leis de protecção das mulheres são das mais avançadas, mas o que falta são as ferramentas para que cada movimento que trabalha em prol da mulher tenha um reforço de capacidade para pôr em acção os seus projectos”, enfatiza.
A mulher, de acordo com a responsável da RAMAO, tem contribuído activamente em todos os sectores de actividade produtiva, lado a lado com os homens, buscando uma igualdade baseada no respeito e reconhecimento do seu papel na sociedade, mas mesmo assim os seus direitos continuam a ser negados para a sustentabilidade da sociedade.
Conforme sublinha, cada vez mais devemos valorizar o papel da mulher como “consciência” activa da família com responsabilidades no mundo do trabalho, da política, como mães, chefes de família, daí a necessidade do seu empoderamento.
“Nós somos parceiras privilegiadas do Estado, mas sem fundos e com este problema não podemos fazer nada para ajudar a empoderar as mulheres, sobretudo, as do meio rural com as quais temos vindo a trabalhar”, realça, sublinhando que não basta ter leis bonitas se “não conseguimos empoderar essas mulheres para poderem conquistar a sua independência económica e social, e poderem ganhar a batalha de participar na paridade 50/50”.
Realçou ainda, que não se pode falar em pleno desenvolvimento se a própria população não está apta a seguir o desenvolvimento que se quer para o país ou para o continente africano, se na prática as associações são confrontadas com “mil e uma dificuldades para trabalhar com as mulheres do meio rural”.
Josefina Chantre Fortes reconhece que os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e o Governo estão cheio de boas intensões, e admite também, que para que a participação da mulher seja efectiva há que se pensar no seu empoderamento com acções delineadas do poder local ao poder central.
Refere, por outro lado, que na sub-região onde a RAMAO está inserida existe um espaço constituído por 250 milhões de habitantes dos quais 52% são mulheres, 60% dessas são analfabetas e 53% a trabalhar no sector informal, sem formação e suporte preciso para dar o passo qualitativo que se quer na matéria.
Para assinalar o Março Mês de Mulher a RAMAO tem em agenda, ainda, no dia 08, a realização de um Sarau Cultural sob o signo “Uma Década de Afirmação, Uma Década de Voluntariado, Plaidoyer e de Facilitação em Prol da Mulher” a ter lugar no Hotel Oásis Praia Mar.
Para esse mesmo dia está previsto animação musical, recital de poemas em homenagem às mulheres, dança típica das Ilhas e da Guiné Bissau, desfile de moda e penteados a cargo da estilista senegalesa, Astou Dieng, e da cabo-verdiana, Isabel Cardoso.
Nos dias 11 e 17 estão previstos também a realização de uma feira de saúde e de educação no bairro de Achadinha e Tarrafal de Santiago, respectivamente.
PC/FP

Dans la même catégorie