APS MOUSSA BALDÉ : ’’LE MAER TABLE SUR 4 MILLIONS DE TONNES DE CÉRÉALES L’ANNÉE PROCHAINE’’ APS SIGNATURE DE PROTOCOLES D’ACCORD POUR RENFORCER LA COOPÉRATION GNA Christians advised not to be complacent about Covid-19 MAP Egypte: des nouveaux « trésors » archéologiques dévoilés au public GNA GES Director assure parents of children safety in school GNA La Pleasure Beach priorities safety protocols as revelers visit GNA FDA destroys unwholesome goods in Cape Coast GNA Total disregard for Covid-19 Safety Protocols at various Markets GNA Ghanaian Ahmadis to benefit from new terrestrial TV Channel GNA Noguchi Memorial Institute investigates alleged falsification of COVID-19 test results

RCA/Contestação à reeleição do presidente cessante


  7 Janvier      17        Politique (14231),

   

Bissau, 07 Jan 21 (ANG) – Na República Centro Africana(RCA) dez candidatos da oposição pediram terça-feira a anulação da reeleição do presidente Faustin Archange Touadéra num escrutínio que consideram como estando desacreditado.

No entanto, Vladimir Monteiro, porta-voz da MINUSCA, força da ONU na RCA, apela a que a contestação siga os trâmites legais aguardando-se a proclamação definitiva do Tribunal Constitucional o mais tardar até dia 19.

O Tribunal Constitucional tem até 19 do corrente para confirmar a reeleição do presidente cessante.

Touadéra teria vencido com quase 54% dos votos, segundo resultados avançados na segunda-feira.

Só um em dois eleitores conseguiu votar a 27 de Dezembro com uma guerra civil a ameaçar o escrutínio, em plena ofensiva rebelde.

Ainda assim as autoridades alegam que a taxa de participação se situou em mais de 76%.

Não obstante admitirem que em quase metade das mesas de voto a votação não se pode realizar ou, então, com os boletins de voto a terem sido destruídos.

São, pois, dez candidatos descontentes, num movimento liderado pelos ex primeiros-ministros Anicet Georges Dologuélé e Martin Ziguélé, estes classificados supostamente, em segunda e terceira posição, no pleito.

Todos eles denunciam muitas irregularidades, alegando que o escrutínio não teria sido conforme aos padrões internacionais. e que teria deixado de lado 51% dos eleitores.

Os observadores internacionais tinham elogiado, porém, a mobilização dos eleitores.

Facto realçado também por Vladimir Monteiro, porta-voz da MINUSCA, tropas da ONU na RCA, num comunicado emitido na segunda-feira por parte de observadores internacionais presentes no terreno.

Disse que nma declaração conjunta das Nações Unidas com a União Africana, Comunidade Económica dos Estados da África central e da União Europeia (que) fez uma série de apelos, dizem tomar nota dos resultados provisórios… e que os actores políticos deverão respeitar as decisões do Tribunal Constuticional, o mais tardar até dia 19.

Comentando o facto de porventura um em cada dois eleitores ter ficado arredado do escrutínio Vladimir Monteiro alegou terem sido constatados essas situações de violência.

« Nós constatámos essas violências (…), a nossa posição é de que os resultados serão proclamados de forma definitiva pelo Tribunal e que há vias legais para apresentar todas as queixas e tentar obter a solução dos problemas », disse.

O porta-voz da MINUSCA admite que a violência pontuou o escrutínio nalgumas áreas e que continuam a circular boatos sobre ataques armados à capital.

« Houve uma série de ataques, inclusive com mortes de civis, com mortes de elementos das forças armadas centro-africanas, com a morte de três capacetes azuis, por conseguinte não houve eleições… Mas houve também zonas em que, apesar dessas violências a população foi votar, e outras partes onde conseguiu votar.

A situação em termos de segurança continua tensa (…) os grupos armados estão, sobretudo, na parte Oeste (…), há muitos rumores de ataques contra a capital, um deles com pânico geral. Até agora temos conseguido fazer frente a essa aliança entre grupos armados e o antigo presidente François Bozizé »,disse Monteiro.

Dans la même catégorie