AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Journée mondiale du Sida : la population de Transua invitée à se faire dépister AIP Un responsable de la société civile de Bondoukou donne des solutions pour le maintien d’une paix durable en Côte d’Ivoire AGP Gabon: Des tests d’orientation des nouveaux bacheliers 2020 à partir du 07 décembre prochain AGP Gabon: La bonne gouvernance et la lutte contre la corruption évoquées en conseil de cabinet à la Primature AGP Journée mondiale de lutte contre le Sida : 51.000 personnes infectées pour 26.000 sous traitement au Gabon APS PLUS DE 50 MILLIARDS POUR LES PÊCHES ET L’ÉCONOMIE MARITIME EN 2021 ANP Télévision Numérique Terrestre au Niger : Lancement à Tillabéri d’une campagne nationale de sensibilisation ANP Niger : Le Budget général 2021 de l’Etat s’équilibre en recettes et en dépenses à 2.644,53 milliards AGP Gabon : Une partie du commissariat de Police de Mounana emportée par les flammes APS LA JOURNÉE MONDIALE DE LUTTE CONTRE LE SIDA CÉLÉBRÉE AU MONUMENT DE LA RENAISSANCE

Religião/ China e vaticano anunciam renovação de acordo sobre nomeação de bispos


  22 Octobre      15        Société (25511),

   

Bissau, 22 Out 20 (ANG)- A China anunciou hoje a renovação de um acordo preliminar com o Vaticano sobre a nomeação de bispos, um ponto de discórdia há décadas entre a Igreja Católica e o Governo chinês.

« A China e o Vaticano decidiram, após consultas amistosas, estender o acordo temporário sobre a nomeação de bispos por dois anos », disse o porta-voz da diplomacia chinesa, Zhao Lijian, aos jornalistas.
Pequim e o Vaticano assinaram um acordo em Setembro de 2018 que deveria encerrar quase 70 anos de uma disputa centrada em torno da nomeação de bispos. O texto, com duração provisória de dois anos, previa a sua renovação.

Os católicos da China há muito se dividem entre uma Igreja « clandestina », ilegal aos olhos de Pequim e tradicionalmente fiel ao Papa, e uma Igreja « patriótica », subserviente ao regime comunista.

Sob o acordo de 2018, o Papa Francisco reconheceu oito bispos originalmente nomeados por Pequim sem a sua aprovação. Por outro lado, pelo menos dois antigos bispos da Igreja « clandestina » foram reconhecidos por Pequim.

Mas as concessões oferecidas por Roma não facilitaram a vida dos seguidores da Igreja « clandestina », que supostamente constituem cerca de metade dos cerca de 12 milhões de católicos chineses.

Os católicos chineses, como outros crentes, têm enfrentado uma política de « tornar tudo chinês » há vários anos.

Isso vê-se na destruição de igrejas ou cruzes colocadas no topo dos edifícios, bem como no encerramento de escolas católicas.

Apesar de tudo, o Papa Francisco, que no passado evocou seu « sonho » de ir à China, busca restabelecer os laços com o regime comunista, que havia sido cortado diplomaticamente em 1951.

A China e a Santa Sé « continuarão a comunicar-se e a se consultar estreitamente, e continuarão impulsionando o processo de melhoria das relações », disse Zhao.

O Vaticano é um dos últimos 15 Estados do mundo a reconhecer o Governo de Taiwan, uma ilha governada por um regime rival de Pequim desde 1949, mas da qual a China Popular amargamente reivindica soberania.

O catolicismo enraizou-se na China a partir do século XVI, com a presença de missionários jesuítas, notadamente o italiano Matteo Ricci (1552-1610).

Dans la même catégorie