AIP Côte d‘Ivoire-AIP/ La Journée africaine des droits de l’Homme commémorée à Abidjan AIP Côte d’Ivoire-AIP/ L’axe Tiébissou-Bouaké rouvert à la circulation après avoir été obstrué par un tronc d’arbre INFOPRESS São Vicente: Más Soncent movement denounces destruction of election propaganda material including theft of billboards INFOPRESS FAO realiza Workshop de Capacitação e Sensibilização sobre relação existente entre nutrição e comércio INFOPRESS Fogo: Sindicato Democrático dos Professores distribui máscaras aos seus associados a nível da ilha ATOP LE MINISTRE MIJIYAWA LANCE UN APPEL A LA MOBILISATION GENERALE ATOP PROGRAMMATION BUDGETAIRE ET ECONOMIQUE 2021-2023 : UN DEBAT D’ORIENTATION AU PARLEMENT ATOP LE CONCOURS « PRIX TOGOLAIS DE LA QUALITE » LANCE AGP Gabon: La 157ème réunion des gouverneurs de l’OPEP statue sur le programme d’activités 2021 AIP Côte d’Ivoire- AIP/ La police de Bonon sensibilise les élèves à la non-violence

REPORTAGEM/São Vicente: Cenário de transmissão comunitária da covid-19 deixa pais e encarregados de educação com medo


  6 Octobre      9        Santé (7754),

   

Mindelo, 06 Out (Inforpress) – A notícia de que há possibilidade de transmissão comunitária da covid-19, em São Vicente, deixou pais e encarregados de educação com medo, mesmo com as instituições de ensino a garantirem medidas de prevenção e de distanciamento social.
A Inforpress foi para as ruas questionar os pais e encarregados de educação sobre o seu estado de espírito, neste momento em que se deu o arranque do ano lectivo e, numa altura em que já se contabilizam 17 casos activos da covid-19, em que o delegado de Saúde admitiu a possibilidade de estar a ocorrer uma transmissão local do coronavírus.
Uma das que reporta preocupação é Darlene Ferreira, 43 anos de idade, cujo filho começou a estudar, agora, o 7º ano. Esta mãe disse que vai “colocar tudo nas mãos de Deus”, mas chamou a atenção para a questão da “higiene dentro das escolas e em casa”.
“Espero que na escola os alunos e todos contribuam para a sua segurança e saúde para que tudo corra bem”, declarou.
Apesar de não ter filhos na escola, Maria Francisca, 54 anos, afirmou que tem medo que os seus três netos possam “apanhar a doença” nos colegas e levar para casa ou eles mesmo transmiti-la para os colegas na sala de aula.
“Eu também trabalho no hospital mas trabalho cheia de medo. É uma situação preocupante porque não sabemos se em casa temos pessoas com outras doenças que, em associação com a covid-19, são fatais”, confessou Maria Francisca.
Na mesma linha Lucélia Delgado, 38 anos, mãe de duas meninas, uma que iniciou agora a 1ª classe e outra na 6ª classe, foca a sua preocupação no facto de as crianças serem de origem e de famílias diferentes e, por conseguinte, terem hábitos distintos.
“Vão muitas crianças de zonas e de meios diferentes. Sendo crianças, às vezes, há alguns que cumprem e há outros que não”, defendeu esta mãe para quem será difícil manter o distanciamento social entre crianças.
O medo é também um factor presente na mente de Dinora Évora, de 44 anos. Apesar de ser professora ela reconhece que “toda a gente está preocupada”, mas afiançou que apesar da situação difícil causada pela pandemia da covid-19 “a vida deve continuar” e mesmo neste cenário de transmissão comunitária “as crianças devem ir à escola”.
“Acho que os pais têm de mandar os filhos à escola porque a vida tem de continuar. Sabemos que é uma preocupação de todos. Vamos ter de aprender a conviver com o vírus e ensinar as crianças a conviverem com ele”, explicou a professora defendendo que “Cabo Verde e o mundo podem parar por causa de uma doença”.
No entanto, a Delegacia da Saúde de São Vicente, afirma que não há razões para preocupações porque começou a preparar os planos de contingência com todas as instituições de ensino, e São Vicente, um mês antes da abertura do ano lectivo.
Segundo a enfermeira da Delegacia de Saúde de São Vicente, Marlinda Rocha, que é responsável de Saúde Escolar na ilha, foi criado um grupo de enfermeiros e de outros profissionais que trabalharam para criar as condições para que as crianças tivessem aulas em segurança.
“Nós somos um grupo de enfermeiros e de outros profissionais de Saúde que estão a ajudar as escolas a fazerem os seus planos de contingência”, adiantou Marlinda Rocha que explicou que cada um dos Centros de Saúde da ilha ficou responsável pelas escolas e Jardins Infantis das suas áreas de abrangência.
“Fizemos reuniões com os responsáveis, professores e monitores, deslocamo-nos às escolas para ver os espaçs e ajudamos a fazer o plano de contingência e a adoptar todas as medidas de prevenção da covid-19 nas escolas”, adiantou.
O primeiro encontro, segundo Marlinda Rocha, foi para explicar às instituições que devem ter uma sala de isolamento para eventuais casos, como é que o espaço tem que ser, onde se deve situar e o que deve ter, das sinalizações nas portas de entrada e de saída, entre outros.
Tudo isso para “garantir que as crianças estejam na escola com segurança. Mas os pais também devem saber que nós, juntamente com o sector da educação, estamos a fazer tudo para garantir as condições possíveis nas escolas”. Mas, os pais têm que ver que as crianças estão na comunidade”, concretizou.
Para a psicóloga clínica e Professora da Universidade do Mindelo, Denise Oliveira, é compreensível que os pais e encarregados de educação também estejam a viver os efeitos da pandemia.
Denise Oliveira acrescentou que, neste momento de regresso às aulas, os pais e encarregados de educação (se em condições sadias) “precisam transmitir aos filhos respostas que gerem conforto, segurança, acolhimento e aprendizagem” e, sobretudo, possam ensiná-los que “é possível aprender e lidar com as adversidades”.
Isto porque “a percepção por parte da criança de que seus pais ou encarregados de educação estão ansiosos, preocupados e com medo aumenta o nível de ‘stress’ e, quando o cérebro da criança não tem maturidade suficiente para processar estes estímulos, adequadamente, problemas de ordem emocionais ou comportamentais ou mesmo perturbações mentais podem surgir”, explicou Denise Oliveira.
Para esta especialista “o isolamento social prolongado, e imposto, tem impacto sobre a saúde mental das pessoas e, particularmente, das crianças, pela sua vulnerabilidade psicológica”.
Entre os efeitos sobre a saúde mental, disse a psicóloga, poderão estar sentimentos de “solidão, de insegurança, de irritabilidade, de agitação, de agressividade, de rebeldia, de desesperança, insónia, frustração, medos de contaminação, de perdas e medo da morte, de depressão, de fobia social, de perturbações alimentares e stress pós-traumático”, entre outros.
Para Denise Oliveira as crianças devem continuar a ir às aulas, porque “a educação de um país não deve parar”. Mas também defendeu que, “perante uma ameaça, todas as medidas sanitárias que contribuam para uma plena saúde pública devem ser mobilizadas”.
“Se entre as medidas, que contenham a disseminação do vírus, a interrupção das aulas presenciais tiver que ser contemplada, que seja”, afirmou a psicóloga clínica acrescentando, porém, que a paragem “não pode ser encarada como férias porque, durante esse período, geralmente não há compromisso com os estudos ou responsabilidade em cumprir as tarefas da escola”.
Em seu entender, o sector educação “deve estar preparado para oferecer formas de estudo e ferramentas ensino-aprendizagem alternativas ao ensino presencial”.
No entanto, segundo a mesma fonte, é provável que os sinais e sintomas do stress emocional, decorrentes da pandemia e dos cenários que a acompanham, não terminem com a reabertura das escolas.
Por isso, defendeu a necessidade de um trabalho interventivo e preventivo porque, caso contrário, “as marcas sobre a saúde mental da geração actual de crianças e adolescentes permanecerão”, sentenciou a especialista.

Dans la même catégorie