AGP COMPTE RENDU DU CONSEIL DES MINISTRES DU JEUDI, 26 NOVEMBRE 2020 GNA We’re building a new Ghana that works – Veep AGP Gabon/Conseil municipal extraordinaire de Libreville: Le projet de budget 2020 rehaussé de plus d’1milliards FCFA AGP Gabon/ Session criminelle pour mineur: 36 mois de prison ferme pour un jeune braqueur AGP Gabon/Koulamoutou: Les établissements privés et confessionnels réclament les kits sanitaires ANP Tahoua : 132 meilleures élèves filles de la région reçoivent officiellement des prix d’excellence ANP Niger : Les Comités de Gestion des Etablissements Scolaires (COGES), sont très importants dans la gestion des écoles AIP Institutions politiques rassurantes et stabilité, une forte attente des populations d’Abengourou AIP Les enseignants du lycée des Jeunes filles de Séguéla instruits sur les droits des enfants AIP Des enseignants recommandent une sensibilisation sur les droits et devoirs des enfants

Santa Cruz: Agricultores já falam em “azágua” perdida por insuficiência das chuvas e proliferação das pragas


  28 Octobre      12        Agriculture (1725),

   

Pedra Badejo, 28 Out (Inforpress) – Os agricultores do concelho de Santa Cruz afirmam que para este ano a produção de milho e feijão já está perdida, por causa de chuvas insuficientes e proliferação das pragas, principalmente a da lagarta do cartucho-do-milho.
Esta é a percepção dos homens do campo partilhada com a Inforpress pelo presidente da associação dos agricultores da Ribeira dos Picos (Agri-Várzea Nova), Benjamim Mendes, quem entende que em praticamente todas as localidades do concelho a “azágua” (agricultura de sequeiro) está perdida este ano.
Apesar das chuvas caídas um pouco por todo o País no mês de Setembro, que trouxeram água para as barragens e renovaram a esperança dos lavradores, este agricultor observou que choveu tarde e não o suficiente para garantir uma boa colheita.
“Milho e feijão em Santa Cruz não estão garantidos”, reconheceu, lembrando que não choveu o suficiente e há famílias que fizeram a sementeira mais de uma ou duas vezes.
No seu entender, caso chova vai haver “alguma coisa, mas muito fraca”.
Esta é a realidade constatada no terreno, principalmente nas zonas baixas como São Cristóvão, entre outras.
Porém, realçou que nalgumas zonas altas as famílias já experimentaram um pouco de milho e algumas espécies de feijão.
Além da insuficiência das chuvas, Benjamin Mendes fala ainda em pragas como lagarta do cartucho-do-milho, tartarugas e mangras, que atacam e impedem o crescimento dos cultivos.
“Na minha opinião já temos ‘azágua’ perdida”, lamentou, indicando, por outro lado, que o pasto para animais já está garantido e isso para ele já é um ganho, tendo em conta a “situação difícil e dolorosa” que os criadores enfrentaram nos últimos “três anos”.
Sobre a agricultura de regadio, este camponês da Ribeira dos Picos acredita em mais disponibilidade de mais água durante o ano, uma vez que as chuvas trouxeram este líquido para as barragens e ribeiras.
“Acredito que teremos mais água, temos alguns poços e furos com água salobra, mas espero que caia mais chuvas para alimentar ainda mais os lençóis freáticos”, perspectivou, propondo novas formas de gestão de água e de rega para evitar desperdício desse líquido, que outrora fez falta.

Dans la même catégorie