MAP Covid-19 : le président sénégalais appelle au renforcement des contrôles systématiques du port du masque GNA Police beefs up security to protect ballot boxes at Adaklu ANGOP Covid-19 : Angola regista 207 recuperados e 68 novos casos APS THIÈS : ’’ESPACE NDUGU’’, UN PROJET POUR MODERNISER LE PETIT COMMERCE DANS LES QUARTIERS APS HAUSSE DES CAS DE COVID-19 : MACKY SALL DEMANDE LE RENFORCEMENT DES CONTRÔLES SYSTÉMATIQUES DU PORT DU MASQUE AIP La GESTOCI teste son dispositif de sécurité sur ses installations AIP Le nouveau directeur régional de l’Enseignement technique et de la Formation professionnelle veut accompagner les responsables d’établissement AIP le gouvernement burkinabé estime a hauteur de 113 millions d’euros le soutien de l’union européenne AIP Plus de 2200 nouvelles cartes nationales d’identité disponibles à Dimbokro AIP Bientôt des logements pour les agents des Eaux et Forêts à Songon

Santa Cruz: Época da desova chega ao fim com registo recorde de cerca de mil ninhos de tartarugas


  3 Novembre      7        Société (25538),

   

Pedra Badejo, 03 Nov (Inforpress) – A Associação Ambiental Caretta Caretta em Santa Cruz chega ao fim da época da desova de tartarugas em 2020 com cerca de mil ninhos, um registo recorde ao longo dos nove anos de trabalho de protecção da espécie.

A informação foi avançada à Inforpress por um dos membros fundadores da associação, Elizangelo Alves, quem revelou que este ano a temporada iniciou no mês de Abril e já foram devolvidos ao mar milhares de “tartaruguinhas”, faltando ainda sete ninhos.

“Este ano tivemos melhor e maior resultado em relação aos anos anteriores porque tivemos maior número de ninhos e filhotes, mas por outro lado tivemos alguns problemas também com cães vadios”, demonstrou, acrescentando que houve muitos ataques aos ninhos por parte de cães vadios, que feriram muitos filhotes.

Outro problema identificado tem a ver com lixos nas praias, situação que, no seu entender, não deveria estar a acontecer e defende a necessidade de haver mais sensibilização da população, principalmente a camada jovem.

Tendo em conta esta situação, a associação acabou por avançar com uma campanha de limpeza das praias para excluir a barreira que impede os filhotes de ir para o mar, mas também para que tenham um ambiente mais aprazível, tendo em conta que o espaço atrai muitos visitantes que se deslocam para assistir à devolução das “tartaruguinhas” ao mar.

“Este ano quisemos também fazer um cercado maior, mas tivemos problemas no cerco por falta de voluntários, já que todos os membros da nossa associação têm o seu emprego”, disse, salientando que devido à falta de apoios muitos voluntários acabam por desistir.

No seu entender, a pandemia de covid-19 também dificultou o processo, uma vez que desmotiva muitas pessoas de ir para a praia a fim de dar o seu contributo.

No espaço cercado a associação registou mais de 700 ninhos e marcaram vários fora do espaço, mas nem todos conseguem marcar por falta de meios e voluntários.

“Foi um sucesso enorme e ficamos bastantes satisfeitos”, transmitiu, argumentando que, mesmo com menos voluntários e trabalhos mais esforçados, valeu a pena todo o esforço.

Todo este trabalho este ano foi desenvolvido por seis jovens pertencentes à Associação Ambiental Caretta Caretta.

Quanto à caça das tartarugas, o integrante da associação revelou que se registou três, mas com a ajuda das autoridades conseguiram devolver duas ao mar e uma acabou por morrer, por causa dos ferimentos.

No seu entender, para reduzir as capturas é necessário desconstruir o mito de que a carne das tartarugas tem muitos benefícios para o ser humano, até porque, segundo ele, vivos no mar podem trazer muito mais benefícios, através de várias actividades.

A época da desova de tartarugas em Santa Cruz este ano iniciou no mês de Abril e até este momento faltam sete ninhos para eclodir e devolver os filhotes ao mar.

A Associação Ambiental Caretta Caretta surgiu há nove anos quando três dos seus membros fundadores decidiram zelar pela preservação das tartarugas marinhas após assistirem muitos problemas de competição de captura da espécie nas praias em Santa Cruz.

“Presenciávamos muitas caças de tartarugas, uma coisa triste de se ver. Era tipo uma disputa, que muitas vezes criava conflito na praia”, recordou um dos membros fundadores revelando que no início as pessoas consideravam-lhes “loucos”.

Entretanto, considera que actualmente a população está mais sensibilizada, mas que ainda há muitos trabalhos para fazer, já que se nota ainda comportamentos e atitudes desnecessários.

WM/ZS

Dans la même catégorie