ANP Le Niger se dote d’une Politique nationale en science, technologie et innovation ANP Création au Niger d’une Agence de Promotion du Tourisme ANP Covid-19 : Prorogation pour trois mois de l’état d’urgence sanitaire au Niger ANP Niger : Révision du plan de campagne agropastorale 2020 et du programme de cultures irriguées 2020-2021 ANP « Les droits des femmes face à la propagation de la covid-19 » au cœur de la Journée Mondiale de la Population AIP NSOA: 275 élèves officiers et sous-officiers des Douanes présentés au drapeau AIP COVID-19 : La Côte d’Ivoire franchit la barre des 12.000 cas confirmés GNA Voters Registration: Over three million registration recorded so far GNA Be professional not partisan – Police told GNA KMA to set up two sanitation courts

São Filipe: Antigo eleito municipal defende que Estado deve indemnizar os criadores pelas perdas


  1 Juin      10        Politique (9604),

   

São Filipe, 01 Jun (Inforpress) – O antigo eleito municipal de São Filipe Amadeu Barbosa defendeu domingo que o Estado (Governo e câmara) deve indemnizar os criadores de gado pela perda dos seus animais devido a ataque de cães vadios.
Ao tomar conhecimento, através dos meios de comunicação social, de que os criadores perderam várias cabeças de animais por acção de cães vadios, o cidadão e munícipe de São Filipe, residente na Praia, Amadeu Barbosa, mostrou-se “altamente chocado e preocupado” com a situação que se arrasta há anos e sem solução à vista.
“Estou preocupado e acho que os criadores têm direito a indemnização pela perda dos animais, por parte do Estado, nomeadamente da câmara de São Filipe e do Governo”, advogou Amadeu Barbosa, justificando que como o Governo tem uma lei que protege cães vadios é também responsável para pagar o valor dos animais mortos (cabras e carneiros) e indemnizar os criadores pelos outros prejuízos já que os animais eram as fontes de rendimento deles e das suas famílias.
Disse ter conversado, por telefone, com o presidente da Assembleia Municipal de São Filipe, Adolfo Rodrigues, mas não conseguiu fazer o mesmo em relação ao presidente da Câmara Municipal, Jorge Nogueira, indicando que soube do encontro agendado para terça-feira (02 de Junho) com os criadores, mas entende que “o presidente deveria os ter recebido imediatamente” para encontrar uma solução.
Amadeu Barbosa mostrou-se disponível para apoiar os criadores a entrar com uma acção judicial contra o Estado de Cabo Verde e o município de São Filipe, para exigir o pagamento dos prejuízos e indemnização pelos lucros cessantes e futuros que resultavam dos benefícios que tiravam dos animais.
“Se os criadores não obrigarem as autoridades a pagar os prejuízos, nunca mais as coisas tomam o caminho devido. O Governo não pode proteger cães vadios para destruir patrimónios dos outros, e as cabras são patrimónios dos criadores, e é um direito constitucional ter património”, referiu Amadeu Barbosa em declaração a Inforpress, questionando se os cães vadios são património de alguma pessoa.
A mesma fonte afirmou ainda não entender como que o Estado não defende património dos criadores de gado, em concreta, para defender património que não tem dano (os cães vadios).
“Como esses cães não tem donos, são vadios e ferozes o Estado que já assumiu como sendo donos dos mesmos, este deve assumir todos os actos praticados por esses animais com as devidas consequências”, destacou Amadeu Barbosa.
O mesmo pergunta ainda que interesse maior o Estado de Cabo Verde (Governo e câmara) está a salvaguardar e defender, com supremacia sobre o património de privados devidamente identificados e consagrado constitucionalmente.
Com relação a câmara este lembrou que o poder local foi instituído para resolver os problemas das pessoas e que esta questão de cães vadios é um problema local e deve ser resolvido localmente.
Nos últimos três dias há relatos de matança de perto de uma centena de cabeças de gado (cabras e carneiros) na zona sul de São Filipe, sem contar com muitos outros animais que ficaram inutilizados devido a ferimento provocados pelos cães vadios.
O estranho é que os animais são mortos nos currais, muitos dos quais com alguma altura e com protecção exterior, mas mesmo assim os cães entram e saem dos currais sem quaisquer sinais, deixando apenas um rasto de destruição dos animais.
No sábado, um grupo de criadores de Jardim expôs parte dos animais mortos à frente da câmara e no domingo foi a vez de um grupo de criadores de Salto passar com os seus animais à frente da residência do presidente da câmara para chamar atenção para esta problemática que tem deixado criadores e familiares abandonados à sua sorte.
Os criadores avisam que se do encontro de terça-feira não sair uma medida urgente, vão se organizar para fazer “limpeza” dos cães que encontram nas ruas da zona sul e centro porque estão cansados com a situação.

Dans la même catégorie