MAP Gabon : 89 candidats pour les sénatoriales, prévues les 30 janvier et 6 février APS LE CHAN 2020 REFLÈTE UNE BONNE PRÉPARATION ATHLÉTIQUE DES ÉQUIPES, SELON UN TECHNICIEN APS L’OM DÉDIE UNE SEMAINE À SES SUPPORTEURS EN AFRIQUE APS LE LYCÉE MAME CHEIKH MBAYE DE TAMBACOUNDA RÉNOVÉ ET ÉQUIPÉ PAR LA FONDATION SONATEL APS UN PROTOCOLE D’ACCORD POUR LA RÉALISATION DE L’ÉTUDE SUR LA STRATÉGIE NATIONALE DE RENFORCEMENT DE LA PLATEFORME PORTUAIRE APS A PRAIA, LES DÉLÉGUÉS DE LA ZONE OUEST A AVAIENT L’ESPRIT À RABAT APS FORCE COVID-19 : PAIEMENT DE LA PREMIÈRE TRANCHE AUX ARTISANS DE LA ZONE CENTRE APS ME SENGHOR À PRAIA : « UN SIGNE DU DESTIN », ESPÈRE UNE DIPLOMATE APS L’AFRIQUE RACONTÉE ESSENTIELLEMENT SUR LA BASE DE SOURCES ÉTRANGÈRES (RAPPORT) APS MANAGEMENT DE LA SANTÉ : DES MALGACHES EN FORMATION À SUPDECO DAKAR (COMMUNIQUÉ)

São Tomé e Príncipe/ Presidente veta polémica revisão da Lei Eleitoral


  7 Janvier      16        Politique (14385),

   

Bissau, 07 Jan 21 (ANG) – O Presidente santomense, Evaristo Carvalho, vetou a polémica lei eleitoral aprovada a 13 de dezembro no parlamento por 28 votos da maioria que sustenta o governo e 1 voto da ADI, na oposição, uma lei que está no ponto da discórdia entre a nova maioria no poder constituída pelos partidos MLSTP-PSD e a coligação PCD-MDFM-UDD.

Com eleições presidenciais, autárquicas e regionais agendadas para este ano e legislativas em 2022, o Presidente Evaristo Carvalho, vetou a proposta de revisão da lei eleitoral alegando que como « garante da Constituição, não pode dar o seu aval a um texto com o qual não está em total harmonia, mormente no que respeita aos limites ao exercício de direitos cíveis e políticos de forma livre ».

Esta polémica lei prevê, entre outros aspectos, a impossibilidade de cidadãos concorrerem às eleições sem estarem filiados a um partido político, ou ainda a impossibilidade de candidatos não nascidos no arquipélago, ou que não tenham nele residido durante pelo menos os 180 dias anteriores à eleição, o que a ADI, que se regozija com o veto presidencial, considerando que a revisão da lei, ora vetada, excluía uma eventual candidatura às presidenciais do seu líder Patrice Trovoada, antigo primeiro-ministro entre 2014 e 2018 e que desde estão reside no estrangeiro.

O projecto de lei permite o voto da diáspora nas eleições legislativas previstas para 2022 e cria dois círculos eleitorais: Europa e África, permitindo à diáspora dispor de dois deputados, mas impede cidadão nascidos e/ou residentes na diáspora de concorrerem à Presidência da República.

Evaristo Carvalho, antigo vice-presidente do partido ADI, que o apoiou na sua eleição em 2018, aguarda que seja apresentada uma reforma integral do pacote legislativo que respeite a constituição do país.

Na carta enviada ao Presidente da Assembleia Nacional e datada de 30 de dezembro 2020, o Chefe de Estado faz ainda recordar que “num passado não longínquo [2014] uma tentativa de revisão semelhante foi objecto de rejeição presidencial, por terem sido detectadas nela normas inconstitucionais e que nesta data continuam a suscitar desentendimentos graves.

O Presidente da República diz ainda, que não se pode descurar que as leis eleitorais brigam com os direitos e liberdades e as respectivas garantias que são fundamentais para a estabilidade do Estado de Direito.

Os partidos políticos com deputados na Assembleia Nacional estão reunidos para analisar o veto presidencial, o que aponta para uma reapreciação do referido diploma.

Segundo uma fonte contactada pela RFI, admite-se que o parlamento se pronuncie ainda esta semana sobre o assunto.

Assinado por mais de uma dezena de cidadãos santomenses o Manifesto da Sociedade Civil é datado de 2, foi entregue no dia seguinte ao Presidente Evaristo Carvalho, pedindo-lhe que vetasse a Lei Eleitoral.

Dias antes, a 1 de dezembro 2020, um grupo de cidadãos alertou para a inconstitucionalidade da revisão da Lei Eeleitoral que data de 1990 e que segundo eles visa dividir os santomenses.

Dans la même catégorie