APS NAVIGABILITÉ DU FLEUVE SÉNÉGAL : LE FINANCEMENT DE 475 MILLIONS D’EUROS SUR LE POINT D’ÊTRE BOUCLÉ APS BEC-DE-LIÈVRE : UNE TRENTAINE DE PATIENTS OPÉRÉS GRATUITEMENT À THIÈS APS OUVERTURE À DAKAR DE LA SESSION DU CONSEIL DES MINISTRES DE L’UEMOA MAP M. Hilale plaide pour une action urgente et adéquate pour atténuer les effets des crises humanitaires MAP Ouverture à Marrakech des travaux de la 20è réunion du MCR-Afrique MAP Forum Crans Montana : Un message clair du Maroc, ce siècle doit être celui de l’Afrique (cabinet conseil danois) APS APRÈS 2008, KOTO DEVANT LE DÉFI DE QUALIFIER UNE SÉLECTION SÉNÉGALAISE CONTRE LE SYLI APS L’OMVS SOUHAITE RENFORCER SA DYNAMIQUE AU NIVEAU DES ETATS (HAUT COMMISSAIRE) AGP Conakry: Fin des travaux des journées nationales de Concertation sur le HADJ APS SADIO MANÉ : « LA COMPARAISON AVEC SALAH EST GÊNANTE »

São Vicente é palco de conferência sobre Economia Azul com foco na sustentabilidade dos oceanos


Praia, 27 Abr 2017(Inforpress) – A ilha de São Vicente acolhe de 03 a 05 de Maio uma conferência internacional sobre “Crescimento e economia azuis”, que vai reunir cerca de 150 especialistas e com foco na sustentabilidade da exploração dos oceanos.

No lançamento do encontro, o director Nacional da Economia Marítima, Carlos Évora, em conferência de imprensa na manhã de hoje, no Mindelo, explicou que Cabo Verde tomou a iniciativa de realizar a conferência no seguimento da iniciativa da FAO, de 2014, de adoptar a economia e o crescimento azuis como “uma das bandeiras” para o desenvolvimento de Estados com potencialidade oceânica.

Como objectivos e resultados esperados, a mesma fonte indicou que a conferência objectiva o diálogo e a troca de experiência relativamente à gestão sustentável dos recursos no âmbito da Economia Azul, entendida, anotou, como todas as partes intervenientes em processo que abrange desde a gestão da zona costeira e dos recursos haliêuticos, utilização do mar e dos oceanos, das energias relacionadas com os oceanos e investigação haliêutica.

Os temas, considerou, são diversos e abarcam as energias das ondas, a exploração sustentada dos tubarões e dos tunídeos e finalizando com o turismo sustentável costeiro.

Carlos Rocha Évora sublinhou que o evento “alinha-se” com o Objectivo de Desenvolvimento Sustentável 14, com o título “Proteger a vida marinha”, e servirá ainda como encontro preparatório para a Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, que ser celebrada em Junho, em Nova Iorque (EUA).

Com a conferência do Mindelo, espera-se, pois, assinalou a mesma fonte, oferecer um “espaço para partilha” de experiências e práticas na Economia Azul no mundo para serem aplicados em África, “mais concretamente” nos pequenos Estados insulares em desenvolvimento.

Cabo Verde alinhou-se com a iniciativa “Economia e Crescimento azuis” através do projecto iniciado pela FAO, em 2015, e alargado em 2017, com o apoio do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), que serve de plataforma para o diálogo entre parceiros técnicos e financeiros que apoiam as iniciativas nacionais consignados na Carta de Crescimento Azul, adoptada pelo Governo.

As personalidade que virão à conferência são oriundas da Comunidade de Países de Língua Portuguesas (CPLP), das comissões sub-regionais das pescas da África Ocidental e da África Central, para além de países como São Tomé e Príncipe, Kenya, Timor-Leste, Maurícias, Seychelles e Madagáscar.

A Economia Azul inclui todas as actividades realizadas em espaços aquáticos, terras adjacentes e seus ecossistemas, em que oceanos e mares, rios e lagos, zonas costeiras, bancos e margens, zonas húmidas e cursos de água aos quais estão associados riquezas e actividades que contribuem para a Economia Azul.

Dados revelados na conferência de imprensa sustentam que 90 por cento (%) das trocas comerciais entre Estados efectuam-se por via marítima e 95% das comunicações a nível mundial ocorrem através de redes submarinas.

A abordagem da Economia Azul como “motor do desenvolvimento” do continente africano inscreve-se no projecto da União Africana “Agenda 2063 – a África que queremos”, adoptado em 31 de Janeiro de 2016.

O tema está ainda classificado nos “Objectivos e domínios prioritários dos próximos 10 anos” e considera a exploração do “vasto potencial” como a “principal aspiração de uma África próspera”.

AA/JMV

Dans la même catégorie