ACP Les ministres provinciaux de l’éducation invités à lutter contre les antivaleurs dans leurs entités ACP Sud-Kivu : 153 personnes touchées par la covid-19 en cette troisième vague ACP L’ambassadeur américain Mike Hammer visite le barrage d’Inga ACP Les journalistes de l’ACP appelés à améliorer leur rendement pour la promotion de l’agence ACP Le Président Félix Tshisekedi réitère la nécessité de travailler pour l’intérêt général ANP Célébration de la fête de Tabaski à Tahoua : Les commerçants satisfaits des retombées économiques ANP Le Premier Ministre reçoit le Représentant résident du PAM au Niger ANP Entretien entre le Premier Ministre et le tout Premier nouvel Ambassadeur des Pays Bas au Niger GNA Will Accra work again with street Hawkers? ANP Zinder : Les revendeurs ont réalisé de bonnes affaires à l’occasion de la Tabaski

São Vicente: Movimento Más Soncent denuncia destruição de material de propaganda eleitoral incluindo roubo de outdoors


  20 Octobre      20        Société (34408),

   

Mindelo,20 Out (Inforpress) – O mandatário do Movimento Más Soncent, Luís Rodrigues, denunciou segunda-feira alegados actos de vandalização da propaganda gráfica do movimento afixado em diversas zonas da ilha, incluindo o roubo de dois “outdoors“.

Em conferência de imprensa, no Mindelo, Rodrigues assinalou que os dois “outdoors“ roubados estavam afixados na Laginha e no Monte Sossego.

Por outro lado, denunciou ainda a pichagem de cartazes na parede do Kintal das Artes, à frente do mercado de peixe, aliás, precisou, “todos os cartazes das forças políticas foram pichadas, com excepção dos do MpD”.

“Não acusamos directamente o MpD, porque não temos provas, mas a verdade é que apenas os cartazes do MpD não foram pichados, logo alguma razão haverá para isso”, lançou a mesma fonte, que se referiu a “obstáculos enormes que não são bons para o jogo político”.

Da mesma forma, Luís Rodrigues acusou a Câmara Municipal de São Vicente de oferecer um “presente envenenado” ao Movimento Más Soncent quando procedeu à distribuição de espaços públicos para colocação de propaganda política a todos os concorrentes e incluiu postes de iluminação pública.

“Afinal, a Electra vem dizer agora que temos que retirar a propaganda dos postes, que lhes pertence, antes autorizado pela câmara”, continuou, ao mesmo tempo que lamentou “o esforço para confeccionar os pendões e os colocar nos postes”, e vão ter que fazer “mais um esforço” para os retirar.

O mandatário do Movimento Más Soncent voltou ao caso do director de campanha, funcionário público da Cadeia Central de São Vicente, que diz estar a ser alvo de “perseguição e intimidação por parte da direcção da cadeia”, para que ele não participe no trabalho ligado ao Movimento Más Soncent.

“Trata-se de um atentado ao princípio da liberdade da pessoa, nada o proíbe no estatuto enquanto profissional de tomar parte nesse tipo de actividade, não há nada no Código Eleitoral que o proíbe, logo, qualquer movimentação nesse sentido terá por base razões desconhecidas”, concretizou a mesma fonte.

Por isso, pediu que seja respeitada a liberdade individual do funcionário para continuar a sua actividade.

“Não faz sentido num país democrático tentar coartar a liberdade de expressão e de associação, mas acreditamos que se está a preparar uma acção mais directa contra o nosso director de campanha para depois das eleições”, conclui.

Por fim, Luís Rodrigues anunciou que, por precaução, o Movimento Más Soncent não fará mais desfiles com o trio eléctrico para evitar a aglomeração de pessoas, em plena pandemia, já que “em primeiro lugar está a saúde”.

O Movimento Mas Soncent concorre nas autárquicas de domingo, 25, com Nelson Lopes como candidato a presidente da câmara, e Albertino Gonçalves para presidente da Assembleia Municipal de São Vicente.

AA/CP

Dans la même catégorie