ANP Entretien à Niamey entre le Chef du Gouvernement Nigérien Ouhoumoudou Mahamadou et une délégation du Conseil de Sécurité de l’ONU ANP Campagne agricole 2021 dans la région de Dosso : 800 villages déficitaires sur 1900 dont 80% en situation d’urgence GNA Ratify ILO Convention 190: Women’s Movement call on government GNA Aboboyaa’ banned from plying major highways in Accra from Nov. 1 GNA Government approves over GHS 40 million to contain bird flu-Minister AGP N’Zérékoré/incendie au grand marché : Une cinquantaine de boutiques et leurs contenus partis en fumée (Bilan) AGP Gueckédou/ rentrée scolaire: La DPE annonce la vaccination du personnel enseignant avant la fin du mois d’octobre GNA British High Commission in Accra hosts climate showcase ahead of COP26 GNA Renominated MCE for Ketu North finally confirmed GNA 5,200 new infections of HIV recorded in children 0-14 – NACP

São Vicente: Presidente da UCID volta a apelar para mudança de medida de coacção de Amadeu Oliveira “que está doente”


  17 Septembre      16        Politique (19160),

   

Mindelo, 17 Set (Inforpress) – O presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID, oposição) pediu “a quem de direito” para mudar a medida de coacção de Amadeu Oliveira, que se encontra preso há 58 dias, devido a doença.
Momentos depois de ter sido recebido, ao início da tarde desta quinta-feira, em São Vicente, pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, a quem entregou uma carta, António Monteiro concretizou que o deputado Amadeu Oliveira, “indevidamente” preso e que classifica de “preso político”, está “bastante debilitado, abatido e tem problemas de saúde”.
“Dissemos ao Presidente que a UCID considera que Amadeu Oliveira está preso indevidamente, para nós é um preso político porque só está preso porque foi eleito deputado no dia 18 de Abril para, três meses depois, a 18 de Julho, ser preso no aeroporto de São Vicente, até hoje”, acrescentou Monteiro, que disse não estar “nada satisfeito com isso”.
Por isso, pedimos ao Presidente para, dentro daquilo que a Constituição da República manda, já que ele é o guardião da Constituição, para ver o que se poderá fazer para “clarificar algumas situações”.
Questionado se esta e outras acções da UCID não poderão ser vistas como pressão indevida de um partido ao poder judicial, Monteiro discordou, pois, disse, o que está em causa é “o não cumprimento da Constituição”, num Estado de Direito Democrático, em que o Presidente é o guardião e deve zelar “a todo o custo” para que a Constituição “não seja rasgada como foi neste caso”.
Sobre a manifestação convocada pelo Movimento Sokols’2017 para o dia 25, justamente sobre a questão da justiça, António Monteiro deixou claro que a UCID como partido “não irá participar”, mas que ele, enquanto cidadão, “sem rótulo de deputado e de presidente da UCID”, vai estar na manifestação.
“Vou à manifestação para mostrar o meu descontentamento como pessoa, mas a UCID não vai participar enquanto partido, já que não visto essas funções nas 24 horas do dia, há momento da função e outras sem função, vou estar como cidadão”, concretizou.
Foi notícia que no dia 27 de Junho o arguido Arlindo Teixeira, condenado inicialmente a 11 anos de prisão por homicídio, saiu do País a partir de São Vicente num voo da TAP com destino a Lisboa, tendo depois seguido para França.
Arlindo Teixeira é constituinte do advogado e deputado Amadeu Oliveira, num processo que este considerou ser “fraudulento”, “manipulado” e com “falsificação de provas”.
Teixeira saiu do País com auxílio anunciado publicamente pelo advogado de defesa, que disse que contactou um grupo de ex-militares fuzileiros navais para resgatar Arlindo Teixeira e fazê-lo sair do País por via marítima, mas nas vésperas mudou de estratégia e o seu cliente saiu por via aérea.
O caso Arlindo Teixeira remonta a 31 de Julho de 2015 quando foi preso acusado de assassinato e depois, em 2016, condenado a 11 anos de cadeia continuando em prisão preventiva a aguardar o desfecho do recurso ao Tribunal Constitucional e a 26 de Abril de 2018, Arlindo Teixeira, com dois anos, oito meses e 26 dias em prisão preventiva, é mandado soltar pelo Tribunal Constitucional por considerar que o arguido agiu em legítima defesa.
AA/ZS
Inforpress/Fim

Dans la même catégorie