APS COVID-19 : 138 MILLIARDS FCFA DE L’UE ET DE L’ALLEMAGNE EN APPUI AUX EFFORTS DU SÉNÉGAL APS ‘’SAHÉLIEN.NE.S 2040’’ : UN PROGRAMME DE L’AFD POUR ‘’UN SAHEL SOUHAITABLE’’ AIP COVID-19: Des acteurs du milieu éducatif outillés à la lutte contre la pandémie AIP Des associations féminines sensibilisées aux droits de la femme à Bondoukou AIP Des parents d’élèves du N’zi invités à prendre en main les cantines scolaires AIP Les nouveaux élèves de 6è et 2nde instruits sur les structures du Lycée municipal de Sikensi AIP Les contrôleurs budgétaires de l’Administration renforcent leurs connaissances sur le nouveau Code des marchés publics AIP 24 jeunes issus de l’immigration clandestine reçoivent des kits pour leur autonomisation AIP La Poste ivoirienne se rapproche des populations pour mieux les satisfaire AIP Kigali abrite le 18ème Sommet sur le Genre

São Vicente: Revogação da lei que exige barcos de dez anos é decisão do Conselho Nacional das Pescas


  20 Novembre      3        Société (25226),

   

Mindelo, 20 Nov (Inforpress) – A revogação da lei que exigia que os armadores nacionais comprem barcos de pesca com dez anos “no máximo” é uma das recomendações saídas do Conselho Nacional das Pescas, encerrado quinta-feira, 19, no Mindelo.

Em declarações à imprensa, o ministro da Economia Marítima, Paulo Veiga, revelou que a medida será revogada no Conselho de Ministros, para permitir que os armadores nacionais possam trazer embarcações já “preparadas para o oceano, desde que cumprem as medidas de segurança e o exigido pelo Instituto Marítimo e Portuário (IMP) e pelo Código Marítimo”.

Segundo Paulo Veiga, no Conselho Nacional das Pescas, que decorreu à margem da terceira edição da Cabo Verde Ocean Week, também foi discutido o Plano Anual da Gestão dos Recursos Haliêuticos e propostas de lei, desde o mergulho à aquacultura, e a proposta de construção naval de embarcações artesanais, apresentada pela Associação dos Armadores de Pesca (Apesc).

Este ano, adiantou, o Conselho Nacional das Pescas adoptou um método diferente e todos os documentos foram discutidos na generalidade, mas serão também analisados na especialidade.

“Havia sugestões muito boas, por exemplo, da Associação de Pesca de São Pedro e também da APESC. E nós achamos por bem incorporar essas sugestões e vamos discutir isso na especialidade e ter um documento em acordo”, revelou ainda o ministro da Economia, para quem a única questão que ficou em aberto é se se adopta uma medida para a captura da melva ou não.

“Vamos afinar esses documentos com todas as instituições envolvidas e vamos fazer reuniões para cada um desses instrumentos que têm que ser aprovados para que até 7 de Dezembro pelos conselheiros. Depois seguem para o Conselho de Ministros para aprovação e a sua publicação”, explicou o governante, acrescentando que essas propostas vão fazer parte do Plano Anual da Gestão dos Recursos Haliêuticos da Pesca.

“Estas propostas vão dizer qual é o período de defeso que vamos ter no próximo ano, o que é que vai-se poder pescar ou não”, clarificou Paulo Veiga, adiantando ainda que vão discutir se poderão pescar o pepino do mar porque, adiantou, “para pescar esta espécie deve haver a lei do mergulho e o regulamento aprovado”.

Por sua vez, a Apesc mostrou-se satisfeita com a revogação da lei, que exige aos armadores a compra de barcos com, “no máximo”, dez anos.

Para o presidente da associação, João Lima, trata-se de um “ganho” porque há muito que a associação debatia com os sucessivos governos para que o assunto fosse resolvido.

“Sempre questionamos essa lei e, hoje, ela foi revogada. Esperamos que seja aprovada pelo Conselho de Ministros porque os armadores há muito que estavam à espera desta medida”, afirmou

Segundo a mesma fonte, a dinâmica do sector precisa, a cada dia, de regulamentação para as pescas.

Mas, defendeu que se deve fazer leis que abranjam todas as zonas de pesca em Cabo Verde, dentro da capacidade que o cabo-verdiano tem para fazer capturas.

“Chamo a atenção de todos os que estão envolvidos dentro do processo da economia marítima, principalmente, mergulhadores e não só. Cada associação deve estar atenta, fazer o seu papel, defender os seus interesses, dentro da legalidade, de modo que quando essas leis forem aprovadas não tenhamos dissabores a nível nacional”, alertou o presidente da Apesc.

CD/AA

Inforpress/Fim

Dans la même catégorie