AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Les services des eaux et forêts en campagne contre les feux de brousse dans le Poro AIP Côte d’Ivoire-AIP/Inter/ Football: Le Maroc abritera la CAN féminine 2022 AGP Guinée-Politique : Démission officielle du Gouvernement de Dr Ibrahima Kassory Fofana ANGOP MUNDIAL|ANDEBOL: ANGOLA PERDE DIANTE DO QATAR NA ESTREIA GNA Speaker Bagbin condemns unruly parliamentary behaviour APS SÉDHIOU : 42 KILOS DE CHANVRE INDIEN SAISIS À BALMADOU (POLICE) GNA WACCE to empower women against violent extremism GNA NGO supports flood victims in the Upper East Region GNA FDA declares zero tolerance for unregistered products GNA High Court remands man who stabs 19-year-old to death

Saúde Pública/Grupo de técnicos da saúde sem salário há seis meses pede intervenção do PR


  7 Décembre      17        Santé (8579),

   

Bissau, 07 dez 20 (ANG) – O grupo de 123 técnicos de saúde, nomeadamente Médico, enfermeiros e técnicos de laboratório que não recebem os seus respectivos salários há seis meses pedem a intervenção do Chefe de Estado Guineense.

Em declarações à imprensa esta segunda-feira, à saída do encontro com Sissoco Embaló, o porta voz do grupo, Admir Gonçales Montero disse que abordaram com o Presidente, a falta de materiais de trabalho, nomeadamente luvas, medicamentos e máscaras de proteção facial de covid-19 , bem como a situação dos seis meses sem salário.

“O serviço de pediatria se depara com falta de materiais e medicamentos que estão a ser comprados pelas famílias das crianças, que procuram o tratamento médico naquele serviço do Hospital Simão Mendes”, revelou Admir Montero.

Para além disso, conforme o porta voz do grupo dos técnicos, de momento alguns medicamentos que existiam na farmácia dos serviços de pediatria já não existem.

Admir Monteiro disse que debateram também com chefe de Estado Guineense a falta de fornecimento de alimentação aos referidos técnicos.

“Por estarmos num serviço muito delicado ou de cuidados intensivo, nenhum de nós consegue sair pelo menos 10 ou 15 minutos para tomar ou comer qualquer coisa, porque a maioria das crianças morre por causa da ausência de um técnico e isso não é muito bom”, disse Admir Monteiro.

Acrescenta que, por essa razão, são obrigados a permanecer no serviço durante 12 horas sem comer, daí que decidiram informar ao Presidente da República para ver como pode usar a sua influência junto do governo para encontrar uma solução para essa situação.

Perguntado sobre a reação do Presidente guineense disse que Sissoco Embaló deu orientações ao seu conselheiro para area de saúde para a
companhar a situação.

Dans la même catégorie