GNA ENRRI-EfD Ghana initiates discussion on plastic waste management in Ghana GNA Social President CLOGSAG MAP Journée mondiale du climat: Débat mardi sur les changements climatiques au Maroc MAP Bulletin quotidien d’informations économiques africaines MAP Revue de la presse quotidienne internationale africaine (RPQI-Afrique) APS CORONAVIRUS : LA TENDANCE À LA HAUSSE SE POURSUIT AVEC 100 NOUVELLES CONTAMINATIONS AGP Gabon/Plan d’urgence 2020: Le Directeur général de la SEEG fait le point des chantiers dans le Haut-Ogooué AGP Gabon : Ali Bongo Ondimba reçoit les Lettres de créance de six nouveaux ambassadeurs AIP Côte d’Ivoire-AIP/Un sociologue recommande la création de fonds pour la prise en charge des survivantes des VBG AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Le non recours aux architectes est la cause des effondrements d’immeubles (Pdt CNOA)

Secretária executiva da Comissão de Coordenação do Álcool e Drogas diz que a situação no País é “preocupante”


  23 Octobre      14        Société (25585),

   

Cidade da Praia, 23 Out (Inforpress) – A secretária executiva da Comissão de Coordenação do Álcool e outras Drogas (CCAD), Fernanda Marques, disse quinta-feira à Inforpress que é “preocupante” a situação do uso e outras drogas no ambiente laboral no País.
“A situação no País é preocupante, na medida que temos um número significativo de pessoas que fazem o uso abusivo do álcool”, afirmou a secretária executiva da CCAD, para quem existe também uma situação de consumo de drogas ilícitas que preocupa as autoridades.
A secretária executiva da CCAD fez essas considerações à margem do acto de lançamento do Guia Orientador para a Intervenção em Meio Laboral sobre o uso de álcool e outras drogas, que aconteceu através do aplicativo Zoom.
Segundo ela, há a necessidade de haver intervenção em vários contextos, nomeadamente no comunitário e escolas e, agora, vai ser também laboral.
“Este Guia é de extrema importância. Trata-se de um instrumento prático para orientar as empresas sobre a forma de materializar aquilo que está previsto na nova lei do álcool”, indicou, que conforme explicou, vai ao encontro das recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT).
Com o Guia ora lançado, sublinhou a secretária executiva da CCAD pretende apoiar as empresas, e instituições publicas e privadas a disporem de um “plano integrado para fazerem face ao problema [do alcoolismo]”.
“Quando falo de um plano integrado, estou a pensar nos trabalhadores em geral”, apontou Fernanda Marques, acrescentando que, às vezes, a preocupação é apenas com quem tem problemas com o álcool.
Instada sobre o que espera das empresas em termos de implementação do conteúdo do referido Guia deixou transparecer que várias destas instituições já entraram em contacto com a CCAD, tendo, inclusive, algumas dela formado um núcleo duro de trabalhadores que irá implementar o tal plano integrado de combate ao alcoolismo no trabalho.
Citou o exemplo da Enacol, empresa de combustíveis, com a qual CCAD assinou um protocolo de colaboração, em que estão previstas várias iniciativas conjuntas, tendo havido uma doação de aparelhos de alcoolímetro.
Lembra que a lei prevê que, a partir do momento em que um trabalhador esteja visivelmente embriagado, tendo em conta sempre a protecção da saúde do mesmo e de terceiros, este pode ser enviado para as estruturas de saúde para efeito de rastreio.
“Esta doação veio reforçar os esforços do Ministério da Saúde de equipara as estruturas com os equipamentos necessários [no quadro do combate ao alcoolismo]”, acentuou Fernanda Marques, que aproveitou para esclarecer que não é apenas um teste que vai servir de avaliação e deixa o aviso que só um técnico de Saúde “está capacitado para avaliar a pessoa e saber de que consumo se está a tratar”.
Sobre os condutores, adiantou que, neste momento, a sua instituição que dirige feito um trabalho mais no sentido da “sensibilização e prevenção”.
Por sua vez, o inspector geral do Trabalho, Anildo Fortes reconhece que a problemática do alcoolismo é um “problema sério” que, também, afecta o meio laboral.
Para ele, o Guia Orientador é mais instrumento para “informar e sensibilizar” tanto os trabalhadores, como as entidades empregadoras e os sindicatos sobre a problemática do alcoolismo no País.
Em seu entender, o consumo exagerado do álcool no meio laboral pode provocar várias consequências, nomeadamente o absentismo, a falta de produtividade e até provocar acidentes de trabalho.
“Um trabalho que faz o uso abusivo do álcool não está em condições de segurança para executar estas tarefas”, admitiu Anildo Fortes que defende um trabalho nas acções de sensibilização para que haja no País um meio laboral “seguro e saudável” e, consequentemente, ter trabalhadores “mais produtivos” e capazes de “aumentar a produtividade” em Cabo Verde.
Para ele, a situação do consumo do álcool no ambiente laboral já foi “muito pior”, mas que melhorou com a vigência da lei do álcool que proibiu a venda das bebidas espirituosas nas cantinas, quer das instituições públicas, quer das privadas.
O objectivo do Guia é o de apresentar uma abordagem de prevenção e intervenção no quadro do consumo e abuso de álcool e outras drogas em meio laboral, para evitar, reduzir o consumo e os danos associados.

Dans la même catégorie