AIP Côte d’Ivoire-AIP/ 31 nouveaux cas de Covid-19 et 29 guéris APS LANCEMENT D’UNE CELLULE D’ÉTUDES ET DE RÉFLEXION AU SERVICE DE MÉDINA BAYE AGP Gabon/Koulamoutou: La SBL en soutien aux agriculteurs locaux AGP Gabon: Le bilan et les performances de la Comilog et Setrag présentés à Ali Bongo Ondimba AGP Gabon: La hiérarchie du PDG imprégnée des opportunités de la décentralisation GNA Film Classification Committee to safeguard the public interest in content viewership GNA Fishmongers to receive small loans under Coastal Development Authority ANGOP Covid-19: Angola chega a 5.114 infecções

Secretária-geral da UNTC-CS desafia Emprofac a implementar acordo colectivo de trabalho


  14 Août      8        Société (23238),

   

Cidade da Praia, 14 Ago (Inforpress) – A União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde – Central Sindical (UNTC-CS) desafiou hoje a gestão da Emprofac a implementar o acordo colectivo de trabalho de modo a dar “mais tranquilidade” à classe laboral da empresa.
O repto foi lançado pela secretária-geral, Joaquina Almeida, que efectuou hoje uma visita à Empresa Nacional de Produtos Farmacêuticos (Emprofac) com o intuito de se inteirar da situação laboral, do desempenho durante e pós covid-19 e avaliar o estado da responsabilidade social.
Segundo a sindicalista, a Emprofac é uma empresa que tem vindo a cumprir com as convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT), sobretudo no que diz respeito a convenção 87 da liberdade sindical e convenção 100 da igualdade de remuneração, faltando apenas a convenção 97 referente a negociação colectiva.
“É uma preocupação que deixamos aqui, para que o presidente tenha a abertura de receber mais sindicatos, e já mostrou através da sua directora dos recursos humanos, mas também para promover uma negociação colectiva para que os trabalhadores tenham a oportunidade de terem esse instrumento que é fundamental”, referiu.
Explicou que é um acordo escrito relativo às condições de trabalho e de emprego, na qual consta toda a vida da empresa relacionada com os trabalhadores.
“Gostaríamos que este acordo estivesse espelhado num documento que depois depositado na Inspecção Geral do Trabalho, mas que todos os trabalhadores teriam a possibilidade de ter em mãos para poderem aplicar em caso de dúvida, para que caso venha uma nova administração da possa continuar a aplicar esse documento”, mencionou Joaquina Almeida que elogiou a gestão do actual presidente do conselho de administração da empresa.
Na ocasião manifestou a sua satisfação pela actuação da empresa durante o estado de emergência decreto por causa da pandemia da covid-19, pela sua produtividade, mas também pela relação laboral desenvolvida com os trabalhadores.
“É uma empresa que em termos de facturação é a terceira do País, mas em condições para os trabalhadores é a primeira” referiu a sindicalista, que parabenizou a Emprofac pela responsabilidade social que têm vindo a desenvolver.
Por seu turno, o presidente do conselho da administração da Emprofac, Gil Évora, mostrou “total abertura e disponibilidade” em colaborar e negociar com UNTC-CS para a elaboração desse documento que, segundo o mesmo, irá dar “muita tranquilidade” à classe laboral da empresa.
“Vamos aguardar a assembleia geral do dia 28 de Agosto para saber qual será o futuro imediato da empresa, mas pensamos que logo a seguir estaremos em condições de negociar esse acordo colectivo de trabalho que é do interesse do sindicato, mas também da empresa e dos trabalhadores”, assegurou.
Gil Évora garantiu que a sua administração já estava a trabalha nesta questão, que depois será partilhado com a UNTC-CS, no sentido de discutirem os pormenores do acordo colectivo de trabalho.
“Uma empresa com a dimensão da Emprofac para conseguir os seus objectivos terá de ter um bom ambiente laboral ter os trabalhadores com a máxima produtividade possível”, afirmou Évora, que considerou que o ambiente laboral da empresa “é bom”.
Neste momento, a Emprofac emprega cerca de 60 pessoas entre a sede, em Santiago, e em São Vicente.

Dans la même catégorie