AIP Les élèves du lycée moderne d’Agnibilékrou appelés à plus de discipline et de responsabilité INFORPRESS São Vicente: Jovem esteticista incentiva mulheres a cuidarem da saúde das suas unhas AIP Législatives 2021: Le candidat EDS de la commune envisage l’installation d’un bureau du député à Adzopé GNA Futebol/Santiago Norte: Esperança e Varandinha continuam a dividir liderança do campeonato GNA Legislativas: PP perspectiva apresentar candidaturas nos círculos eleitorais do Sal e Fogo GNA Veep and wife take jabs of Coronavirus vaccine GNA Kwahu Afram Plains North D/A donates Furniture to District Education Office AIP Législatives 2021: Cissé Bacongo conseille la vigilance dans le choix des députés à Koumassi AIP Législatives 2021: Le préfet de Tengrela appelle à une campagne sans incident INFORPRESS Mil pessoas vão ser contempladas com projecto “Midjora nha vida” da Fundação Smart City

Sindicalismo/CSI-África condena ameaças de morte contra secretário geral da UNTG


  11 Février      17        Politique (15418), Société (29297),

   

Bissau, 11 Fev 21 (ANG) – A Organização Regional Africana da Confederação Sindical Internacional(CSI-África) condenou, recentemente, as ameaças de morte, por pessoas desconhecidas, dirigidas contra o secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné(UNTG), para que este ponha termo as greves na função pública.

Júlio Mendonça
A informação vem expressa numa carta do secretário-geral do CSI-África dirigida ao Chefe de Estado guineense, publicada na página oficial da UNTG na rede socia, Facebook
.

O secretário-geral da CSI-África pede ao governo guineense para garantir segurança ao Júlio António Mendonça e à outros líderes sindicais, que ponha termo à atos de limitação e ameaças contra os líderes sindicais e que abrace um diálogo social significativo, para abordar as queixas dos sindicatos e da população em geral.

A UNTG está envolvida em acções de protesto contra os aumentos de impostos anunciados pelo governo em novembro de 2020 e aprovados pelo parlamento e promulgados pelo Presidente da República, a 28 de janeiro de 2021.

De acordo com a missiva, os funcionários denunciam que a elite continua a gozar de “privilégios obscenos” enquanto que a maioria dos servidores públicos e a população é negligenciada, sem segurança de rendimentos ou proteção social durante as restrições da covid-19.

“As medidas governamentais recentes incluem a atribuição de valores exorbitantes de subsídios aos órgãos de soberania e antigos membros dos mesmos, a suspensão e despedimento de empregados que se crê pertencerem a um partido político diferente, atos de nepotismo no recrutamento dos trabalhadores dos serviços públicos, resultando em excesso de pessoal e aumentos injustiçado dos salários para alguns”, refere a carta.

O Comité de Liberdade Sindical (CFA) da Organização Internacional do Trabalho(OIT), estabeleceu o princípio de que “as organizações responsáveis pela defesa dos interesses socioeconómicos e profissionais dos trabalhadores devem poder utilizar a greve para apoiar a sua posição na procura de soluções para os problemas colocados pelas crises sociais”.

A CSI-África chamou atenção ao Umaro Sissoco Embaló para ter em conta a Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos que protege o direito à liberdade , segurança pessoal, de expressão, opinião e associação, frisando que, estes direitos e liberdades devem ser respeitados pelo governo.

Dans la même catégorie