ANP Tillabéri : Célébration de la Journée de l’Enfant Africain (JEA), Edition 2021 GNA I have not awarded scholarship to any of my relations- Tano South MCE GNA Gyasikrom Health Centre shut down over assault on Physician Assistant GNA Gender Ministry urges adolescents to champion reproductive health rights GNA Intensify awareness creation on PHC, Sunyani residents entreats GSS GNA Dr Bawumia is a first class assistant – President GNA GII builds the capacity of SMEs in Bolgatanga GNA Robust digitisation will ensure effective and efficient land administration-Veep MAP Afrique : 6 millions USD de Google pour les startups et l’entrepreneuriat féminin MAP Douanes : La Côte d’Ivoire, le Burkina et le Niger interconnectent leurs systèmes d’information

Sistemas educativos são chamados a participar activamente na batalha contra covid-19 – defende ministra da Educação


  19 Novembre      10        Education (5186),

   

Cidade da Praia, 19 Nov (Inforpress) – A ministra da Educação considerou que neste contexto da covid-19 os sistemas educativos são chamados para “travar uma batalha sem precedentes” para garantir a continuidade e o direito de uma educação de qualidade, inclusiva e equitativa.

Maritza Rosabal fez esta consideração quarta-feira ao presidir à abertura, por videoconferência, do debate sobre “Educação no contexto Covid-19” realizado no âmbito da XI Reunião dos Ministros da Educação nos Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Neste momento de incertezas e de ameaças, mas também de esperança, segundo a governante, os sistemas educativos são chamados, por um lado, a “travar uma batalha sem precedentes” para garantir a continuidade e o direito de uma educação de qualidade, inclusiva, equitativa e ao longo da vida para todos, tal como preconiza o Objectivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 04.

Por outro lado, sublinhou, os sistemas educativos são chamados a participar activamente na batalha contra a covid-19, isto é, são mesmo também uma “frente de batalha” contra o vírus.

Por tudo isso, a ministra destacou o trabalho conjunto realizado pelas equipas e especialistas dos ministérios da Educação dos países da CPLP em diversos projectos que têm contribuído para o reforço e a consolidação da qualidade da educação nos contextos nacionais.

Este trabalho, prosseguiu, tem reforçado o papel da CPLP, enquanto organização de plataforma de partilha de boas experiências e de prática em matéria da educação e informação.

Neste mundo em constante transformação, sublinhou, torna-se imperativo uma reflexão constante sobre o funcionamento do sistema educativo, em geral e em particular, e requer, neste contexto, o reforço das competências fundamentais, das linguísticas e das competências das ciências.

Temas como o incremento das qualificações profissionais docentes, o alinhamento de política de formação de professores, o reforço da avaliação das aprendizagens, o caso do ensino inovador desafiante, elencou, merecem toda a atenção da CPLP.

“Elas colocam uma reflexão profunda conjunta e, sobretudo, neste espaço de diálogo que é a CPLP. Esses elementos deverão estar na base do trabalho para a elaboração do Plano de Acção de Cooperação Multilateral no Domínio da Educação da CPLP para o período 2021- 2026, alinhado com a agenda 20/30 das Nações Unidas”, acentuou.

Maritza Rosabal destacou ainda a colaboração atingida pela comunidade no processo da mobilidade.

Entretanto, com vista a atingirem um novo patamar de colaboração e para que a mobilidade seja uma realidade efectiva para a população, precisou, falta um trabalho de “harmonização, de normativos legais, de cooperação técnica e de procedimentos e de práticas institucionais”.

Cabo Verde que tem a presidência da CPLP espera o engajamento, experiência e solidariedade de todos os estados-membros para ultrapassarem os “imensos desafios” que o contexto actual os coloca em “converter sonhos em realidade”.

A ministra aproveitou para reafirmar o engajamento de Cabo Verde para que continue a ser fortalecida e ampliada a cooperação no âmbito da educação.

Reiterou o compromisso do País em garantir que a educação continue a ser um “símbolo da formação, da igualdade e de oportunidade, de práticas equitativas e um o factor fundamental na construção de uma sociedade mais justa e mais eficiente”.

AM/ZS

Inforpress/Fim

Dans la même catégorie