ANP Permettre aux pays pauvres d’accéder aux futurs vaccins contre la Covid 19 AGP Boké-Société ; Des vivres et de matériels de construction aux populations du village Kotobolia. AGP Dubréka/Education : Les résultats de 2020 jugés satisfaisants d’après la DPE. AGP Boké-Politique: La marche du FNDC étouffée AGP Labé : lancement de la campagne électorale du RPG Arc en Ciel sous fond de tension. ANG Cooperação/Presidente do Níger realiza visita de trabalho a Bissau ANG Saúde Pública/Durão Barroso nomeado presidente da Aliança Global para as Vacinas ANG Novo ano letivo / Alunos vão as aulas aos sábados ANG EUA-Eleições/ Joe Biden diz a Trump que se cale em debate conflituoso ANG Covid-19/UE sensibiliza Governo para economia ecológica

Transporte rodoviário/Condutores pedem suspensão de cobranças nas estradas


  3 Septembre      9        Société (23209),

   

Bissau,03 Set 20(ANG) – Alguns condutores de transportes mistos de passageiros exortaram o Governo no sentido de suspender algumas cobranças nas estradas, nomeadamente das portagens, fundo rodoviário e inspeção das viaturas devido ao estado degradante em que se encontram as estradas do país.

Em declarações à ANG, Amadu Djaló condutor de transporte misto que liga Bissau/Gabú, afirmou que a titulo de exemplo estão a ser exigidas a realização de inspeção das viaturas ligeiras no valor de 15 mil francos CFA e 20 mil para as de grande porte.

Disse que actualmente levam mais de seis horas de tempo na ligação Bissau/Gabu e vice versa e que anteriormente era de apenas duas horas, devido a degradação das estradas.

Denunciou ainda a excessiva presença de Polícia de Trânsito, das forças da Guarda Nacional e de Viação nas estradas em que cada qual retira da sua forma dinheiro aos condutores.

Informou que, na sua opinião, neste período de estado de emergência, em que são exisgidas que os  transportes levass
em a metade da lotação, devem ser suspensas todas as cobranças nas estradas para lhes permitir ganhar algum lucro.

Alfucene Baldé,  motorista da via Bissau/Cacine, revelou que há mais de dois meses que deixaram de fazer o trajecto habitual devido a má condição da estrada.

“Actualmente se alguém pretende viajar para a Cacine tem que deslocar para a via alternativa ou seja Catio/Npungda passando por Cabudu para se chegar a Cacine”, explicou.

Por sua vez, Alimo Embaló, condutor da via Bissau/Gabu, disse que neste período de estado de emergência, as maiores vítimas são os proprietários das viaturas de transporte mistos e “sete place”, que são obrigados a levar  metade  da lotação ou seja, transportam no máximo très à quatro passageiros, o que não lhes permite recuperar as despesas em combustíveis.

Dans la même catégorie