AIP Côte d’Ivoire-AIP/ Les services des eaux et forêts en campagne contre les feux de brousse dans le Poro AIP Côte d’Ivoire-AIP/Inter/ Football: Le Maroc abritera la CAN féminine 2022 AGP Guinée-Politique : Démission officielle du Gouvernement de Dr Ibrahima Kassory Fofana ANGOP MUNDIAL|ANDEBOL: ANGOLA PERDE DIANTE DO QATAR NA ESTREIA GNA Speaker Bagbin condemns unruly parliamentary behaviour APS SÉDHIOU : 42 KILOS DE CHANVRE INDIEN SAISIS À BALMADOU (POLICE) GNA WACCE to empower women against violent extremism GNA NGO supports flood victims in the Upper East Region GNA FDA declares zero tolerance for unregistered products GNA High Court remands man who stabs 19-year-old to death

Uganda/Eleitores votam em clima de tensão para escolha de Presidente da República


  14 Janvier      13        Société (27311),

   

Bissau, 14 Jan 21 (ANG) – Dezoito milhões de ugandeses são chamados às urnas, esta quinta-feira, para escolher o novo chefe de Estado do país.

Na corrida eleitoral está o Presidente em exercício Yoweri Museveni, há 35 anos no poder, e o rapper e parlamentar, Bobi Wine, que integra a lista de dez candidatos apresentada pela oposição.

Depois de uma campanha enlutada por dezenas de mortos, os eleitores no Uganda votam, esta quinta-feira, 14 de Janeiro, nas eleições presidenciais, que devem decidir entre o Presidente cessante, Yoweri Museveni, e o seu principal rival, o cantor Bobi Wine, líder da oposição.

A oposição, privada do veterano Kizza Besigye, que decidiu não concorrer depois de quatro derrotas, apresenta dez candidatos, entre eles o músico Bobi Wine.

O rapper de 38 anos tem criticado o regime de Museveni, que acusa de ser um »ditador » que já alterou a Constituição duas vezes para se perpetuar no poder – a última em 2017, quando suprimiu o limite de 75 anos para o cargo de Presidente, para poder candidatar-se novamente este ano.

Em Novembro do ano passado, Bobi Wine foi detido várias vezes enquanto fazia campanha eleitoral, com as autoridades a invocarem as restrições relacionadas com a pandemia de Covid-19 para proibir grandes ajuntamentos. As detenções do músico provocaram grandes protestos, com a polícia a usar da violência sobre os manifestantes, provocando a morte a 54 pessoas.

Vários jornalistas, críticos do regime e observadores foram igualmente impedidos de trabalhar. O clima de repressão dos últimos tempos fez aumentar os receios sobre a transparência deste escrutínio e levou o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, a apelou a eleições “transparentes” e “sem medo de intimidação ou violência”.

Por sua vez, os Estados Unidos decidiram cancelar a missão de observação programada no país, uma vez que o governo negou o credenciamento da maioria de seus observadores.

Na capital, Kampala foi reforçada a presença militar e as ruas estão a ser vigiadas por helicópteros e drones. Há relato de que os muitos habitantes estariam a aglomerar-se nas centrais rodoviárias para chegar às mais de 34 mil assembleias de voto ou a deixar a cidade com medo da escalada de violência.

Dans la même catégorie