AIP Législatives 2021: La CEI appelle à des élections apaisées à Aboisso AIP Législatives 2021 : La direction de campagne de la tête de liste RHDP, Man sous-préfecture et Sangouiné, ratisse pour le candidat Blon AIP Législatives 2021: L’influence des coupures intempestives d’électricité sur la campagne à Tiébissou. INFORPRESS Tribunal Constitucional confirma José Augusto Fernandes como presidente do PTS INFORPRESS Santiago: Câmara de Santa Catarina e Embaixada da França reforçam cooperação INFORPRESS Futebol/Fogo: Campeonatos do primeiro e segundo escalões arrancam este fim-de-semana INFORPRESS Orlando Pantera é homem do futuro que precisa ser mais conhecido e debatido – Princesito INFORPRESS Boa Vista: Grupo de sindicalistas anuncia concentração de trabalhadores para sábado em Sal-Rei INFORPRESS Legislativas/Maio: PAICV preparado para conseguir um “bom resultado” – mandatário INFORPRESS Câmara de Comércio do Barlavento abre Incubadora Multissetorial de São Vicente

Veto da proposta de lei que procede à terceira alteração ao Código de Processo Penal é um “processo natural” – ministra


  17 Février      10        Société (29441),

   

Cidade da Praia, 17 Fev (Inforpress) – A ministra da Justiça e Trabalho, Janine Lélis, considerou terça-feira, na Cidade da Praia, que o veto da proposta de lei que procede à terceira alteração ao Código de Processo Penal por parte do Presidente da República é um “processo natural”,
Num anúncio feito na sua página de rede social facebook, o Chefe do Estado indica o parecer nº1/2021 do TC, subscrito pela unanimidade dos Juízes Conselheiros, que decidiu pronunciar-se pela inconstitucionalidade da maioria das normas.
“É um processo natural, é assim que as coisas funcionam. O Governo propõe, o Parlamento aprova e o Presidente, no exercício das suas atribuições e competências constitucionais, pede a sua fiscalização”, justificou a ministra, em declarações à imprensa, depois de se inteirar do funcionamento do sistema de videovigilância da Cadeia Central da Praia.
De acordo com a governante, há um parecer do Tribunal Constitucional de que vai devolver o diploma ao Parlamento, sendo que antes vai haver um ajustamento e as correcções necessárias, “porque se quer acima de tudo é uma boa lei”.
A ministra esclareceu que “subjacente” à essa reforma está uma medida de política “muito importante”, que é o combate à insegurança, no sentido de conter o sentimento de impunidade.
“É nesta concepção que se desenvolveu toda essa reforma e normalmente há sempre um limite entre aquilo que é a segurança, a garantia e as liberdades (…) é exactamente por isso que existem esses pedidos de clarificação do Tribunal Constitucional”, explicou a ministra.
A proposta de lei que procede à terceira alteração do Código de Processo Penal, aprovado pelo decreto legislativo n.º 2/2005, de 07 de Fevereiro, tinha sido aprovada em Dezembro por unanimidade dos deputados.

Dans la même catégorie