MAP « Ce que nous vivons », un ouvrage collectif de réflexion autour du Covid-19 MAP Le Burkina Faso réaffirme son soutien à l’initiative d’autonomie au Sahara MAP Sahara: la Jordanie réitère son soutien à l’initiative d’autonomie dans le cadre de l’intégrité territoriale du Maroc MAP La famille de la Résistance à Guelmim condamne les manœuvres des ennemies de l’intégrité territoriale MAP Dakhla-Oued Eddahab: Plus de 13.000 bénéficiaires de l’initiative royale  »un million de cartables » MAP Des donateurs au chevet du Sahel central : 1,7 milliard USD mobilisé MAP Le Canada s’engage à accroître sa participation au développement du Sahel MAP L’ONU appelle à une action immédiate pour inverser la situation dans la région centrale du Sahel MAP Mysk Marrakech lance la commercialisation de son nouveau projet de luxe MAP Sahel central : l’accès humanitaire est compromis par l’insécurité (PAM)

Vice-presidente do SINTESEL acusa o governo de ajudar as empresas privadas a “escravizar” os vigilantes


  15 Octobre      7        Société (23966),

   

Cidade da Praia, 15 Out (Inforpress) – O vice-presidente do Sindicato Nacional dos Agentes de Segurança Pública e Privada, Serviços, Agricultura, Comércio e Pesca (SINTSEL), António Silva, acusou hoje o governo de estar a ajudar as empresas privadas a “escravizarem os seus vigilantes”.
António Silva, que falava em conferência de imprensa hoje, na Cidade da Praia, fez esta acusação na pessoa do vice-primeiro ministro e ministro das Finanças, realçando que se está perante uma situação de “injúria e injustiça”.
Na base desta acusação está o facto de os agentes da segurança privada não terem sido contemplados ainda com aumentos salariais a que julgam ter direito, cujo acordo, sublinham, foi publicado no Boletim Oficial.
A proposta do aumento salarial em apreço foi estabelecida no acordo colectivo do trabalho que foi revisto em 2017, com a promessa de sua implementação em Janeiro de 2020, o que, segundo o sindicalista, não foi implementado até agora.
A esse propósito, o sindicalista fez questão de lembrar ainda ao ministro das Finanças, que o montante que deverá contemplar os agentes em causa, provem dos impostos pagos pelos cabo-verdianos pelos serviços que lhe são prestados, sendo que os vigilantes prestam serviço na área de segurança.
Por isso, António Silva sublinha que o SINTSEL não entende o porquê dessa “injustiça”.
“Será que só em Cabo Verde é que se publica um acordo no Boletim Oficial e depois não é cumprido?”, questionou.
Conforme disse, o SINTSEL prepara para avançar novamente com uma greve, e que só não a realizou ainda porque o sindicato da Indústria Geral Alimentação Construção Civil e Afins (SIACSA), avançou primeiro com o pré-aviso de greve, e deste modo aguardam por um convite do o SIACSA, tendo em conta que lutam pela mesma causa.

Dans la même catégorie