ANGOP L’UGD enregistre une baisse dans l’émission des titres à 25,92 pour cent ANGOP L’Angola et les Etats-Unis vivent un bon moment dans les relations ANGOP Le PR aborde des questions d’intérêt bilatéral avec ses homologues AIB Radio Burkina : 22,2% d’auditeurs insatisfaits de la couverture du Tour du Faso (mémoire) ANGOP DRC refugees repatriation postponed sine die AIB Burkina : 96 écoles occupées, 9514 élèves parmi les déplacés dans 3 régions (Ministre) ANGOP CASA-CE hails Government economic measures AIB Radio Burkina : 22, 2% d’auditeurs insatisfaits de la couverture du Tour du Faso (mémoire) AIB Burkina : 96 écoles occupées, 9514 élèves parmi les déplacés dans 3 régions (Ministre) ANG OMS promove reunião regional sobre inovações em dados e saúde digital

Estado da Nação: Economia está a crescer, com a confiança em alta, o desemprego a diminuir – PM


   

Cidade da Praia, 27 Jul (Inforpress) – O primeiro-ministro considerou hoje que o país “está no rumo certo” com a sua economia a crescer a um ritmo superior à dívida pública, com impacto no rendimento das famílias e que conheceu um crescimento acelerado no primeiro semestre.

No seu discurso de abertura do debate sobre o estado da Nação, Ulisses Correia e Silva disse que o seu executivo reconhece o que de menos bom ainda prevalece na sociedade cabo-verdiana, “mas, com convicção que junto há ainda muito por fazer com confiança” de que o “país pode sair da longa fase de sobrevivência e alcançar o desenvolvimento”.

“A nação está confiante. O país está a progredir. A economia está a crescer, com a confiança em alta, o desemprego a diminuir, o rendimento das famílias a aumentar, o investimento privado a aumentar”, asseverou Ulisses Correia e Silva para quem são factos que retratam uma evolução positiva do país e projectam tendências positivas para os próximos anos.

Nesta linha, compromete-se em fazer de Cabo Verde uma economia de circulação no Atlântico Médio, garantir a sustentabilidade económica, social e ambiental, assegurar a inclusão social e a redução das desigualdades e assimetrias, reforçar a soberania, valorizar a democracia e orientar as políticas externa e interna de forma a vencer os desafios do desenvolvimento do país.

“Não podemos ignorar que, num contexto interno difícil, marcado por uma seca severa que afectou fortemente a produção agrícola e o rendimento nas zonas rurais e num contexto de saída de uma longa estagnação económica, a economia cresceu 3,9% em 2017, em linha com a tendência crescente de 4,7% registada em 2016”, observou.

Ulisses Correia e Silva afirmou mesmo que “não fossem os efeitos da seca que reduziu em 22% a produção agrícola, a maior queda desde 1982, o país teria atingido, em 2017, um crescimento próximo dos 7% e a redução do desemprego seria mais acentuada”.
SR/CP
Inforpress/Fim

Dans la même catégorie