Inforpress Praia: Óscar Santos inaugura esplanada “Ao Ponto” e promete nova centralidade no bairro da Fazenda Inforpress Fogo: Casa dos pescadores do porto de Vale dos Cavaleiros entregue esta semana à Associação da classe Inforpress Fogo: Casa dos pescadores do porto de Vale dos Cavaleiros entregue esta semana à Associação da classe Inforpress Eleições Autárquicas de 2020 marcadas para o dia 25 de Outubro – Governo Inforpress Cabo Verde está a trabalhar para abrir uma embaixada na Guiné-bissau – Ministro Inforpress Brava: Obras do arruamento em Mato Grande beneficiam cerca de 20 famílias Inforpress Boa Vista: PN detém dois indivíduos por captura e venda de carne de tartarugas marinhas GNA Nana Dr S. K. B. Asante unhappy with attacks on Peace Council GNA Speaker of Parliament to deliver Founders’ Day Public Lecture GNA Foundation supports surgery of a six-month-old baby

Guiné-Bissau: MGD condena repressão policial da manifestação estudantil


  12 Novembre      10        Leadership Africain (1366), Photos (3522), Politics (9063),

   

Bissau, 12 nov 18 (ANG) – O Movimento Guineense para o Desenvolvimento (MGD) condenou a repressão policial da manifestação estudantil ocorrida quinta-feira, em Bissau.

Em comunicado à imprensa enviado à ANG, Umaro Djau, líder do partido sustenta que « As forças de segurança têm por função defender a legalidade democrática e garantir a segurança interna e os direitos dos cidadãos ».

O MGD exige aos Tribunais, ao Ministério Público e à outros Órgãos da Soberania incumbidos com a missão de fazer a justiça em nome do Povo, no sentido de investigar, acusar, julgar e condenar todos atores do crime de tortura contra os estudantes, « porque aos olhos do Direito, trata-se de um crime semipúblico, que consubstancia na violação do direito à integridade física e moral dos estudantes espancados »

O partido ainda responsabiliza à todos os partidos políticos que integram o elenco governamental « pela incapacidade e falta de vontade política de pôr fim a cíclica paralisação no sector do ensino ».

Pede ao Presidente da República para assumir a sua responsabilidade na qualidade de Chefe de Estado, árbitro do sistema político adoptado, mediador dos conflitos entre as instituições políticas e sociais e garante da Constituição e demais leis consagrados no ordenamento jurídico guineense.

O líder do MGD referiu que o Governo deve mostrar uma rápida abertura à negociação e cumprimento do memorando assinado com os sindicatos dos Professores, SINAPROF e SINDEPROF, e pede a Comunidade Internacional e corpos diplomáticos acreditados no país no sentido de não pactuar com desrespeito dos direitos à educação universal e direito à manifestação pacífica.

Umaro Djau dirigiu-se à classe estudantil, particularmente aos estudantes espancados e à suas famílias para manifestar a sua « profunda tristeza e consternação pelo ato bárbaro e cruel » de espancamentos e lançamento do gás lacrimogéneo aos « indefesos na manifestação pacífica e ordeira ».

Segundo a Constituição de República, a manifestação pacífica constitui o exercício do direito consagrado nos termos do número 2, do artigo 54º, que diz que : « A todos os cidadãos é reconhecido o direito de se manifestar, nos termos da lei ».

As forças da Ordem reprimiram quinta-feira a manifestação estudantil que protestava contra a paralisação das escolas públicas devido a prolongada greve dos professores, que impediu o inicio do ano lectivo em Outubro como previsto pelo Ministério da Educação.

A acção policial produziu vários feridos entre manifestantes mas acabou por atingir o Ministério do Interior com a exoneração do seu titular, Mutaro Djalo. ANG//SG

Dans la même catégorie