Inforpress Covid-19: Cabo Verde vai triplicar capacidade de realização de testes ANG Covid-19/Número de mortos na Guiné-Bissau sobe para Oito ANG Covid-19/Curva da epidemia continua em trajectória ascendente em África ANG Covid -19/”FIFA doou 250 mil dólares à Federação Nacional de Futebol para custos operacionais, não para clubes”, diz Bonifácio Sanhá APS COVID-19 : LE PRÉFET DE NIORO SALUE LA FORTE MOBILISATION COMMUNAUTAIRE DANS SON DÉPARTEMENT APS GAZ BUTANE : ‘’LOBBOU MAME DIARRA BOUSSO’’ FAIT ’’LE MAXIMUM’’ POUR SATISFAIRE LA CLIENTÈLE (TRAVAILLEUR) APS REPRISE DES COURS : LE MAIRE DE KAFFRINE OFFRE DES KITS SANITAIRES AUX ÉCOLES GNA Kwahuman Hemaa in Minnesota supports adopted community GNA It’s premature to lift COVID-19 restrictions- Alex Segbefia GNA Public outrage over “sickening monetization” of NPP primary election

São Vicente: Articulação com o sector privado apresentado como um dos maiores entraves do programa Jov@Emprego (c/áudio)


  10 Juillet      8        Businesses (191), Economy (7596),

   

Cidade da Praia, 10 Jul (Inforpress) – A articulação com o sector privado mostra-se como um dos maiores entraves que enfrenta o programa do Governo Jova@Emprego, tal como tinham avançado as antenas nacionais do programa, que estão reunidos no Mindelo desde segunda-feira.
Juntamente com a geografia das ilhas, de comunidades dispersas, e a questão comportamental dos jovens, que precisam ser “mais motivados”, a articulação com o sector privado, conforme a directora do serviço de Formação Profissional da Direcção-Geral do Emprego e Estágios Profissionais, Cláudia Varela, mostra-se como um dos “maiores constrangimentos” do programa governamental Jov@Emprego.
“Temos que melhorar este relacionamento com o sector privado, porque é esta articulação que despoleta mais vagas e mais empregos no seio dos jovens e das mulheres, que são o principal público deste programa”, disse a responsável à Inforpress, adiantando que este III Encontro Nacional das antenas tem por objectivo partilhar os principais resultados atingidos até agora, discutir as actividades em curso e as ferramentas que poderão contribuir para “maior eficácia” do projecto.
A mesma visão tida pelo coordenador deste projecto, dirigido pelo Governo, mas executado por duas agências das Nações Unidas, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o PNUD.
LN/FP

Dans la même catégorie