AGP Gabon : Célébration à Libreville de la journée nationale de lutte contre la corruption et l’enrichissement illicite Angop L’Exécutif et le FMI signent un contrat de gestion financière Angop L’Exécutif et le FMI signent un contrat de gestion financière APS Gestion des villes: Macky Sall invite les états africains à s’adapter aux solutions innovantes APS Gestion des villes: Macky Sall invite les états africains à s’adapter aux solutions innovantes APS Agriculture intelligente: 80 millions de dollars pour les petits agriculteurs de la CEDEAO APS Agriculture intelligente: 80 millions de dollars pour les petits agriculteurs de la CEDEAO APS ODD: La pêche INN jugée nuisible aux efforts des états mebres de la CSRP APS ODD: La pêche INN jugée nuisible aux efforts des états mebres de la CSRP APS Un accès universel aux services sociaux visé à l’horizon 2024

Chefes de Estados de seis países chegam a Bissau no próximo dia 16 de Novembro


  11 Novembre      3       

   

 

Bissau, 11 nov 19 (ANG) – Uma delegação composta por seis chefes de Estados da Comunidade Económica do Estados África Ocidental CEDEAO, chega a Guiné-Bissau no próximo sábado, dia 16 do mês curso, em cumprimento de uma das decisões saídas na Cimeira Extraordinária da CEDEAO realizada recentemente na capital do Níger ,sobre a situação política na Guiné-Bissau..

A delegação liderada pelo presidente do Níger é composta pelo Presidente da Nigéria, da Costa de Marfim, do Gana, da Gambia e da Guiné-Conacri,

Segundo um comunicado do Ministério Guineense dos Negócios Estrangeiros,esta delegação será precedida de uma missão dos Chefes de Estado-maior da CEDEAO.

Os chefes de Estados e de Governos da CEDEAO defenderem na cimeira de Niamey ,realizada dia 08 do corrente, a necessidade de se fazer uma revisão da Constituição da Guiné-Bissau.
“É urgente fazer uma revisão constitucional na Guiné-Bissau, mas não antes das eleições”, referiram em comunicado.

A organização diz, no comunicado final da cimeira, que Vaz não tinha poderes para demitir o Executivo de Gomes e nomear um outro, liderado por Imbali, porque o seu mandato acabou a 23 de Junho e tinha acordado com a CEDEAO “permanecer em funções até à próxima eleição presidencial, mas a gestão dos assuntos correntes será assegurada pelo Governo”.

Face a esta situação, os chefes de Estado e de Governo decidiram ainda pedir ao presidente da comissão da organização, o marfinense Jean Claude Kassi, que proponha “uma lista de pessoas que cometeram actos que visavam fazer derrapar o processo eleitoral e a normalização política para que sejam sancionados imediatamente”. O que poderá levar à aplicação de sanções ao Presidente guineense e ao primeiro-ministro demissionário, Faustino Fudut Imbali.

Na sua carta de pedido de demissão, com data de 8 de Novembro, Imbali refere que o seu acto visa evitar um conflito armado no país. “Não faz sentido mobilizar os cidadãos neste momento para derramar mais sangue por uma inadmissível interferência de nossos próprios irmãos e irmãs africanas, que escolheram tomar partido numa disputa política local”.

Para os líderes da CEDEAO, se há alguém que colocou o país em risco de uma guerra civil foi o Presidente que decidiu nomear um novo executivo, quando não tem poderes para isso por o seu mandato já ter terminado e durante uma campanha eleitoral onde se apresenta como candidato.

“Os chefes de Estado e de Governo da CEDEAO exprimiram a sua grande preocupação perante esta nova reviravolta na situação, fazendo o país correr riscos políticos e institucionais, assim como uma potencial guerra civil”, lê-se no ponto 11 do comunicado de sete páginas.

Dans la même catégorie