APS SAINT-LOUIS : DES PARCELLES ATTRIBUÉES À DES SYNDICATS D’ENSEIGNANTS APS SAINT-LOUIS : DES PARCELLES ATTRIBUÉES À DES SYNDICATS D’ENSEIGNANTS GNA Kwahu Easter Marathon reduced 21 Kilometres GNA Winner of Kwahu Easter Marathon to pocket GHC 10,000 GNA Third edition of Kwahu Easter Marathon launched GNA Olympic hopeful Wahid out of qualifiers GNA NAB launches on line credential evaluation management system GNA Media urged to fact-check information to maintain public trust GNA Ghana to host African Youth Academy on Climate Change GNA FDA trains water producers on production and regulatory requirements

Pai viola sexualmente filha de 20 anos


  27 Janvier      0        Society (13139),

   

Bissau, 27 Jan 20(ANG) – Um pai de mais de 50 anos de idade violou sexualmente a sua própria filha de 20 anos, denunciou hoje a presidente do Instituto da Mulher e Criança(IMC).

Maimuna Gomes Silá que falava em conferência de imprensa disse que o abuso iniciou desde quando a filha era menor de idade e que o pai suspeito chegou de cumprir alguns dias de detenção e posteriormente de prisão preventiva.

Disse que o suposto violador sexual terá apresentado um requerimento a solicitar alteração da medida de coação aplicada juntando um atestado médico que comprova seu estado de saúde debilitado, o que não lhe permite ficar preso, para garantir a sua presença em todos os actos processuais subsequentes, como também para inibir a perpetuação do acto criminoso.

“O nosso receio prende-se essencialmente com a possibilidade do pai-suspeito continuar a atuar como violador de menores. Já que não descontou a sua própria filha, imaginem com as outras crianças,” frisou.

Aquela responsável afirmou que é estranho que só agora o pai-suspeito esteja a padecer de alguma doença que o impeça de ficar preso preventivamente,e refere que a medida de coação tem o fito único de impedi-lo de dar continuidade à actividade criminosa que cometia contra a própria filha e outras crianças.

As entidades que velam pelos interesses das crianças e das mulheres, nomeadamente o IMC e Liga Guineense dos Direitos Humanos, e sobretudo quando se trata de um crime público exigem da justiça a imediata revogação da suspensão da medida de coação inicialmente aplicada à prisão preventiva.

Alegam que, tendo em conta o “carácter contundente e irrefutável” das provas apresentadas, o julgamento do pai-suspeito deve ocorrer o mais breve possível.

Maimuma Silá disse que as referidas organizações exigem quer o Ministério Público, quanto ao Juiz de instrução criminal, o veste de “Guardião da Legalidade” e este último enquanto garante dos direitos, liberdade e garantias dos cidadãos, a justiça que se impõe a este tipo de “crime hediondo”.

O IMC, a LGDH e a RENLUV afirmam estarem determinados junto das organizações da sociedade civil que protejam e promovam os direitos das mulheres e crianças, a seguir e exigir de mais casos de violação e abusos sexuais e violência doméstica na sociedade guineense sejam traduzidos à justiça.

Dans la même catégorie