GNA BOST shuts head office over COVID-19 MAP Sa Majesté le Roi Mohammed VI préside un Conseil des ministres APS OUMAR MBALLO ANNONCE SON PROCHAIN ALBUM TRAVAILLÉ ’’SÉRIEUSEMENT’’ DURANT LE CONFINEMENT APS L’INITIATIVE PENSERAGIR : UNE PLATEFORME DE ‘’CIRCULATION DES IDÉES SUR LES QUESTIONS MAJEURES’’ APS COVID-19 : LES SFD PLOMBÉS AU COURS DES 4 PREMIERS MOIS DE LA CRISE (RESPONSABLES) APS NGALLA SYLLA POUR LA FIN DES FRONTIÈRES ENTRE LE FOOT FORMEL ET LE BEACH SOCCER AIP Une plateforme de la société civile plaide pour vraie politique d’anticipation et de prévention des inondations AIP Des populations de Zuénoula plaident pour l’accès à l’eau potable AIP Début des travaux de construction du collège de proximité de Arikokaha AIP Inter/ Covid-19 : point de la situation en Afrique

São Filipe: Antigo eleito municipal defende que Estado deve indemnizar os criadores pelas perdas


  1 Juin      0        Politics (8538),

   

São Filipe, 01 Jun (Inforpress) – O antigo eleito municipal de São Filipe Amadeu Barbosa defendeu domingo que o Estado (Governo e câmara) deve indemnizar os criadores de gado pela perda dos seus animais devido a ataque de cães vadios.
Ao tomar conhecimento, através dos meios de comunicação social, de que os criadores perderam várias cabeças de animais por acção de cães vadios, o cidadão e munícipe de São Filipe, residente na Praia, Amadeu Barbosa, mostrou-se “altamente chocado e preocupado” com a situação que se arrasta há anos e sem solução à vista.
“Estou preocupado e acho que os criadores têm direito a indemnização pela perda dos animais, por parte do Estado, nomeadamente da câmara de São Filipe e do Governo”, advogou Amadeu Barbosa, justificando que como o Governo tem uma lei que protege cães vadios é também responsável para pagar o valor dos animais mortos (cabras e carneiros) e indemnizar os criadores pelos outros prejuízos já que os animais eram as fontes de rendimento deles e das suas famílias.
Disse ter conversado, por telefone, com o presidente da Assembleia Municipal de São Filipe, Adolfo Rodrigues, mas não conseguiu fazer o mesmo em relação ao presidente da Câmara Municipal, Jorge Nogueira, indicando que soube do encontro agendado para terça-feira (02 de Junho) com os criadores, mas entende que “o presidente deveria os ter recebido imediatamente” para encontrar uma solução.
Amadeu Barbosa mostrou-se disponível para apoiar os criadores a entrar com uma acção judicial contra o Estado de Cabo Verde e o município de São Filipe, para exigir o pagamento dos prejuízos e indemnização pelos lucros cessantes e futuros que resultavam dos benefícios que tiravam dos animais.
“Se os criadores não obrigarem as autoridades a pagar os prejuízos, nunca mais as coisas tomam o caminho devido. O Governo não pode proteger cães vadios para destruir patrimónios dos outros, e as cabras são patrimónios dos criadores, e é um direito constitucional ter património”, referiu Amadeu Barbosa em declaração a Inforpress, questionando se os cães vadios são património de alguma pessoa.
A mesma fonte afirmou ainda não entender como que o Estado não defende património dos criadores de gado, em concreta, para defender património que não tem dano (os cães vadios).
“Como esses cães não tem donos, são vadios e ferozes o Estado que já assumiu como sendo donos dos mesmos, este deve assumir todos os actos praticados por esses animais com as devidas consequências”, destacou Amadeu Barbosa.
O mesmo pergunta ainda que interesse maior o Estado de Cabo Verde (Governo e câmara) está a salvaguardar e defender, com supremacia sobre o património de privados devidamente identificados e consagrado constitucionalmente.
Com relação a câmara este lembrou que o poder local foi instituído para resolver os problemas das pessoas e que esta questão de cães vadios é um problema local e deve ser resolvido localmente.
Nos últimos três dias há relatos de matança de perto de uma centena de cabeças de gado (cabras e carneiros) na zona sul de São Filipe, sem contar com muitos outros animais que ficaram inutilizados devido a ferimento provocados pelos cães vadios.
O estranho é que os animais são mortos nos currais, muitos dos quais com alguma altura e com protecção exterior, mas mesmo assim os cães entram e saem dos currais sem quaisquer sinais, deixando apenas um rasto de destruição dos animais.
No sábado, um grupo de criadores de Jardim expôs parte dos animais mortos à frente da câmara e no domingo foi a vez de um grupo de criadores de Salto passar com os seus animais à frente da residência do presidente da câmara para chamar atenção para esta problemática que tem deixado criadores e familiares abandonados à sua sorte.
Os criadores avisam que se do encontro de terça-feira não sair uma medida urgente, vão se organizar para fazer “limpeza” dos cães que encontram nas ruas da zona sul e centro porque estão cansados com a situação.

Dans la même catégorie