GNA Government addressing all outstanding border issues with neighboring countries- President GNA Peace Fund launched to support the National Peace Council ANP Décès à l’hôpital de référence de Niamey du PDG de la Nigérienne de l’automobile AGP Koubia-CIVID-19 : Lancement de la compagne de vaccination accélérée contre le covid-19 GNA Ministry of Finance publishes sustainable financing framework GNA Strengthening health security will help Ghana achieve Universal Health Coverage GNA AU signs MOU with Africa Leadership Foundation GNA NCCI to hold Africa Private Sector Summit Series two in Accra INFORPRESS Presidential elections on Sunday will be followed by 140 international observers – CNE INFORPRESS President of the Republic classifies Armenio Vieira as “example” and “source of inspiration” to look for “new things”

 Covid-19/Guiné-Bissau prolonga estado de calamidade até 10 de Outubro


  27 Septembre      1        LeaderShip Feminin (10341),

   

Bissau, 27 Set 21 (ANG) – O governo prolongou, no domingo, o estado de calamidade até 10 de Outubro devido à pandemia de Covid-19.

 Em decreto, o executivo explica que, apesar de nos últimos dias ter havido uma diminuição do número de novos casos e mortes diárias, a “taxa de positividade” constitui ainda “motivo de preocupação, assim como o número de doentes internados”.

No decreto, pode ler-se que “o nível de internamento está acima de 50% da capacidade nacional”, o que coloca o país “numa situação de ruptura iminente, razão pela qual ainda se revela necessário assegurar a redução da propagação do vírus para um nível controlável, sob pena da situação se descontrolar a qualquer momento”.

Mantém-se, assim, o uso obrigatório de máscara nas ruas, em espaços fechados de acesso público, transportes colectivos de passageiros, escolas e mercados.

O documento recorda, ainda, que certificados de vacinação não substituem os certificados de teste, que continuam a ser exigidos para entrar ou sair do país.

O governo recomenda também aos serviços públicos e privados a dispensar funcionários ou trabalhadores não essenciais, “salvaguardando o seu vínculo laboral e todos os direitos inerentes”.

Desde o início da pandemia, a Guiné-Bissau registou mais de 6.000 casos de covid-19 e 135 vítimas mortais.

Dans la même catégorie