AIP L’AIP remporte deux prix au Grand Prix FAAPA 2021 AIP La journée de l’entreprenariat féminin célébrée à Abidjan APS LES INVESTISSEMENTS DES ENTREPRISES CHINOISES EN AFRIQUE ESTIMÉS À 43 MILLIARDS DE DOLLARS EN FIN 2020 (LIVRE BLANC) AGP Guinée/Éducation : Pierre Kolié, 5ème de la République en sciences expérimentales au bac unique session 2020 plaide pour une bourse d’études à l’étranger AGP Guinée/Transition : Compte rendu du Conseil des Ministres AIP La Côte d’Ivoire s’offre 836 400 doses de vaccin Sinopharm pour lutter contre le covid-19 AIP La Suisse et la Côte d’Ivoire signent trois accords en matière de migration à Berne AIP Plus de 200.000 orphelins du Sida attendent d’être pris en charge en Côte d’Ivoire AIP Le Festival de l’électronique et du jeu vidéo d’Abidjan innove avec les Gaming Awards ACAP Séminaire de restitution et de discussion de l’évaluation de la coopération UE-RCA 2008-2019

Saúde pública/Ministro afirma que o Sistema de Saúde da Guiné-Bissau está de “joelhos” e que a greve é a consequência


  15 Octobre      3        LeaderShip Feminin (10734),

   

 

Bissau,15 Out 21(ANG) – O ministro da Saúde , Dionísio Cumba, disse quinta-feira que o sistema de saúde do país « está de joelhos », depois de anos sem investimento, e que a greve é uma consequência da precariedade em que se encontra.

“O próprio sistema não consegue dar resposta e vem toda uma situação de precariedade e de greve que estamos a viver neste momento”, disse o também médico guineense, em entrevista à Lusa.

Para o ministro, se, por um lado, os “técnicos reclamam melhores condições para prestarem melhor os seus serviços”, por outro lado, o Governo está a “tentar ver como vai poder priorizar e ter recursos para enfrentar a situação do sistema que está completamente de joelhos”.

“Temos aqui o Hospital Nacional Simão Mendes, mas o tipo de assistência é de cuidados primários”, afirmou, salientando que é o hospital de referência nacional, mas não tem especialistas, nem meios de diagnóstico a funcionar normalmente.

“Dá para perceber melhor o nível de sistema de saúde que temos”, afirmou, explicando que a política de reestruturação tem de ser acompanhada de formação de profissionais.

Os sindicatos do setor da saúde da Guiné-Bissau estão em greve há vários meses para reivindicar melhores condições de trabalho e o pagamento de salários aos novos ingressos, que estão há mais de um ano sem receber.

“Já discuti com os sindicatos o que estão a exigir. São meses muito difíceis para alguns que vivem em locais longínquos sem condições económicas, mas exige sacrifícios. É preciso um espírito de sacrifício para todos nós, ao mesmo tempo que pensamos como damos a volta e conseguimos reestruturar tudo em termos de saúde”, disse o ministro.

Dionísio Cumba disse que durante a visita que fez às várias regiões sanitárias do país conversou com os médicos e conseguiu perceber a situação em que vivem, sobretudo nas ilhas.

“Encontrámos médicos em Caravela e em Uno que estão há muitos meses sem salário, alguns não têm salário porque são novos ingressos, mas estão a dar o máximo para corresponder às necessidades da população”, afirmou.

“Isto leva sim a uma reflexão muito profunda. Com esta situação de greve no setor da saúde, que pode, por um lado, ser justificada porque temos um sistema que foi desestruturado ao longo dos anos, nunca a saúde constituiu uma prioridade dos governos que passaram”, disse.

Dans la même catégorie