GNA Namibia Central Bank delegation calls on Bank of Ghana Governor GNA Bank of Ghana, Cyber Security Authority to deepen collaboration GNA Padua North America Association commissions six classrooms GNA MTN Y’ello Care: CEO spends time with pupils of New Asafo Basic School GNA Let’s educate girls on Sexual Reproductive Health Rights, Gender-Based Violence GNA Morocco Commended for Progress Made in Women’s Rights GNA Nsoatreman FC receives rousing welcome in Sunyani  GNA MTN FA Cup: Abdul Latif Adaare to officiate Hearts/Bechem final clash GNA Over 30 head porters undergo training courses in adolescent development GNA GIFEC Administrator concludes inspection of projects in Ashanti Region

ICIEG insta Catarina Furtado a ser embaixadora “das causas” de Cabo Verde


  23 Mars      16        Women's Leadership (334),

   

Cidade da Praia, 23 Mar (Inforpress)- A presidente do Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e Equidade de Género (ICIEG), Marisa Carvalho, pediu nesta terça-feira, a Catarina Furtado que seja também embaixadora da Boa Vontade “das causas” de Cabo Verde junto de outros países.
Marisa Carvalho manifestou esta intenção, em declarações à imprensa, esta tarde, na Praia, à margem do Networking/Diálogo com a Primeira-dama, ICIEG, mulheres, jovens influenciadores, líderes/activistas juvenis e artistas, com a participação da embaixadora da Boa Vontade do FNUAP, Catarina Furtado.
“Para nós, foi uma oportunidade bastante gratificante poder ter um encontro com ela, no Ministério da Família, onde podemos partilhar todas as práticas que o Governo de Cabo Verde tem feito na área do género, e agora proporcionar este momento de partilha da sua vasta experiência “, afirmou.
Segundo explicou, o encontro com esta embaixadora da boa vontade para o Fundo das Nações Unidas para a População, há 23 anos, visa partilhar as experiências ao longo da sua carreira, não só como comunicadora, mas também enquanto embaixadora.
“No foco do seu mandado ela tem a erradicação da violência contra as crianças, mulheres, questões da saúde sexual e reprodutiva, do empoderamento económico, e foi isto que falamos com ela, e apelamos para que ela fosse uma embaixadora também das causas de Cabo Verde, junto dos outros países e de outras entidades, para que tudo aquilo que foi feito nesta matéria não tenha retrocesso”, reforçou.
Com este repto, avançou a presidente do ICIEG, Catarina Furtado já mostrou a disponibilidade de fazer este trabalho, de levar as boas práticas que o país tem feito nesta matéria e poder ser ela também porta-voz daquilo que está a ser feito, pelo que agradeceu o seu gesto em colaborar com Cabo Verde.
Do encontro com os influenciadores, o ICIEG espera que eles, enquanto pessoas que influenciam, sejam também embaixadores das causas do país nas questões de género, do combate à violência infantil, de modo a transmitirem esta luta, que diz ser de todos.
Marisa Carvalho aproveitou a ocasião para apelar para a questão do uso dos meios digitais, sublinhando que trouxeram muitos benefícios, mas alerta para a necessidade de prestar atenção à questão do cyberbullying, por exemplo, que tem afectado principalmente as mulheres.
“(…) temos verificado que a sociedade cabo-verdiana, usando o anonimato ou a distância da internet, tem feito esta prática. Então nós apelamos ao bom uso dos meios digitais, principalmente no que toca às imagens e daquilo que as mulheres têm feito ao longo das suas vidas que, às vezes, por uma simples imagem ou frase, têm sido atacadas, destruídas e, às vezes, com consequências graves”, adiantou.
Por seu lado, a primeira-dama, Débora Carvalho, lançou o desafio no sentido de os influenciadores, com os seus poderes, possam transformar a pessoa que está do seu lado, positivamente.
“Gostaria apenas de lançar um desafio, de pensarmos como é que a nossa influência pode ser uma influência transformadora, temos o poder de influenciar quem está ao nosso lado, na escola, no trabalho, na família, junto dos amigos, que possamos usar o poder da nossa influência”, afirmou.
Catarina Furtado termina hoje a sua visita a Cabo Verde, enquanto embaixadora da boa vontade da UNFPA, onde durante dois dias esteve a conhecer os progressos e os desafios que o país enfrenta em matéria de saúde sexual e reprodutiva, igualdade de género e direitos humanos, após dois anos de pandemia de covid-19.

Dans la même catégorie