GNA Road Safety: Stakeholders, pedestrians call for construction of footbridge at Lapaz GNA GNFS honours 17 firewomen for their outstanding performances GNA Ghanaians must speak up against corruption – MFWA GNA The Party Train whistles through Tema and Accra on 17 June GNA Bofoakwa Tano receives heroes welcome on return to Sunyani NAN CSO to monitor Nigerian Hajj officials in Saudi Arabia GNA Morocco King Inaugurates Rabat-Salé-Kenitra’s CMC; New Generation Vocational Training Facility GNA USA lines up international friendly with Ghana in October GNA Israel Economic and Trade Mission discuss agricultural opportunities with sector players

Óbito/São Vicente: Morreu o artista plástico Alexandre Silva, dono da Galeria Zero Point Art


  31 Décembre      18        Arts & Cultures (1877),

   

Praia, 31 dez (Inforpress) – Morreu esta segunda-feira, no Mindelo, o artista plástico Alexandre Silva Barbosa Andrade (Alex Silva), dono da Galeria Zero Point Art, que fica na rua Unidade Africana, uma das casas de arte e cultura mais conhecidas do Mindelo.
Segundo fonte da Inforpress, Alex Silva estava a jogar basquetebol com os amigos quando se sentiu mal e foi levado ao Hospital Baptista de Sousa, onde viria a falecer.
O artista plástico, que nasceu em Luanda, Angola, era filho de pais cabo-verdianos e chegou a Cabo Verde ainda bebé em 1975, altura da independência nacional.
Cresceu na zona de Alto Mira-Mar e voltou a sair de Cabo Verde para fazer estudos superiores, primeiro biologia marítima, depois arquitectura e em seguida o curso de mestrado em belas artes e crítica na Holanda, este último que ditou a sua vida artística e profissional.
Depois de regressar a São Vicente fundou a Galeria Zero Pont Art como forma de “mostrar e retribuir o seu amor para a ilha”.  Em Novembro, por altura das celebrações do 10º aniversário da galeria, Alex Silva disse à imprensa que esses dez anos têm sido de “resistência”, porque apesar de “não ser um projecto sustentável”, a galeria é projecto concebido “com muito amor”.
Destacou também o facto de a galeria oferecer durante esses dez anos, uma programação “muito selectiva, muito rica”, com partilhas entre músicos e poetas e sessões de spoken words entre outras actividades com o objectivo de “estimular” o pensamento.
Em Novembro promoveu na sua galeria a 2ª edição da extensão do CineEco, o mais antigo festival de cinema ambiental de Portugal, durante a qual apresentou filmes mais adaptados à realidade de Cabo Verde e para a 3ª edição já tinha projectos de trazer filmes ganhadores de prémios daquele festival em parceria com o Cineclube dos Açores.
A sua última exposição “Narrativas Intempestivas”, também fez parte das comemorações da Galeria Zero Pont Art, uma partilha que fez com o público para comemorar os dez anos da galeria e mostrar o seu amor por Cabo Verde.
“Tenho um amor infinito por Cabo verde e tenho vontade em partilhar o meu trabalho sem fazer inaugurações”, finalizou na altura o promotor da Galeria Zero Point Art.

Dans la même catégorie